Segunda-Feira, 19 de Julho de 2021 @ 07:31

O Rádio Hoje | Mesmo com a pandemia, consumo de rádio na Alemanha segue elevado. Meio atinge 93,5% da população

São Paulo - Números derrubam a previsão de que o menor deslocamento diário da população diminuiria o consumo de rádio no país europeu

Publicidade

Mesmo com uma série de mudanças de hábitos provocadas pela pandemia do novo coronavírus em 2020, o consumo de rádio na Alemanha não foi abalado. Havia a previsão inicial de que um menor deslocamento diário de pessoas (entre casa, lazer, trabalho e/ou estudo) iria diminuir o consumo do veículo no país europeu. Isso não ocorreu segundo uma pesquisa recente sobre o consumo de mídia: 93,5% da população alemã ouve rádio. E há uma grande fidelidade dos ouvintes em relação às suas emissoras preferidas. Os dados são da pesquisa "ma 2021 Audio".

adstexto

Os dados são relacionados nas ondas da primavera alemã de 2020 e 2021, que cobrem períodos relacionados à pandemia do novo coronavírus no continente europeu. E eles apontam que 66 milhões de alemães ouvem rádio todos os dias (alcance 1 dia, segunda à sexta-feira, público a partir de 14 anos de idade), com um consumo diário de 4,5 horas, em tendência ascendente segundo a “ma 2021 audio”.

A manutenção do alto volume de consumo do rádio tem o apoio do crescimento das novas tecnologias de transmissão, como streaming e rádio digital via ondas (o DAB+). A recepção digital atinge 20,4% na Alemanha, superior aos 17,4% dos dados da pesquisa divulgada em 2020. Para ser ter uma ideia, o DAB+ elevou o seu alcance diário em 19,5%. Já o áudio online (streaming) registra 25% de consumo entre a população alemã no último levantamento. Esse último formato é mais usado entre a população mais jovem (de 14 a 29 anos). 

Os podcasts também avançam em consumo, ampliando o alcance do áudio na Alemanha. O levantamento apontou que esse formato de mídia já foi usado por 29,3% da população de língua alemã. Entre o público com 14 a 49 anos, 41,8% já ouviram podcasts.

"Atrás desses números constantes e altos de uso que o rádio tem ano após ano, você tem que colocar um ponto de exclamação para o meio! O que parece tão natural não é exatamente o que é. Porque o entusiasmo pelo rádio - pela palavra falada, pelo entretenimento comum, pela transferência de conhecimento, bem como por informações atualizadas e confiáveis - tem uma amplitude enorme e torna este meio tão extenso e valioso para as pessoas", explica Grit Leithäuser, diretora executiva da Radiozentrale, em reportagem publicada pelo portal Radioszene.

O levantamento também aponta que o rádio atende a duas necessidades humanas básicas, como o desejo por informações confiáveis, bem como entretenimento e relaxamento. Entre os alemães entrevistados, 57% usam o rádio para relaxar, 59% usam o rádio especificamente para melhorar seu humor, 79% ficam com uma estação se for adequado para seu humor. “O rádio pode atender à necessidade de informações atuais, regionais e confiáveis, bem como ao desejo de entretenimento e relaxamento”, afirma a reportagem do Radioszene.

"E os resultados atuais mostram de forma impressionante que é o conteúdo do rádio que fascina as pessoas e não os padrões que aprenderam. Caso contrário, em tempos de pandemia e de mobilidade restrita associada, o número de usuários também teria diminuído, uma vez que apenas algumas pessoas dirigiam para o trabalho. Mas eles não são. Em vez disso, o rádio é um barômetro de humor, não importa onde e quando", afirma Leithäuser.

O infográfico da Radiozene, com a análise do consumo de mídia na Alemanha, (veja no final da matéria), aponta que 26% dos alemães consomem rádio no Home-office (teletrabalho), 31% no local de trabalho, 43% enquanto fazem alguma refeição, 59% enquanto cozinham algo, 68% enquanto limpavam algo e 71% quando estão no carro.

Leia também:
> Estimativa aponta que rádio terrestre representa entre 85 e 90% do total do consumo do meio na Europa

Oportunidade para anunciantes na retomada

A fidelidade dos ouvintes é algo de destaque no consumo de rádio na Alemanha: 59% dos entrevistados afirmaram que não mudam de canal durante o dia. "Isso presumivelmente se aplica não apenas ao dia, mas também a períodos de tempos significativamente mais longos. Para o futuro, isso significa que os ouvintes recém-adquiridos permanecerão fiéis às suas estações, mesmo após a pandemia", aponta a análise feita pelo portal AudioEffekt.

"Mesmo depois da pandemia, muitas pessoas vão querer continuar a trabalhar em casa e com mais flexibilidade. É improvável um retorno completo ao cotidiano e ao comportamento profissional antes da pandemia do coronavírus. Os novos ouvintes, portanto, continuarão a ouvir rádio. Para empresas que precisam aumentar rapidamente as vendas após o bloqueio, é uma boa notícia que a avaliação da propaganda no rádio seja predominantemente positiva - principalmente quando comparada com outras mídias", afirma Grit.

A executiva destaca a aceitação do público em relação à publicidade presente no rádio. "A publicidade no rádio é considerada agradavelmente mais curta do que a publicidade em outras mídias e também é avaliada por 38% dos entrevistados como menos perturbadora do que em outras mídias", afirma Leithäuser.

O estudo conclui que, em tempos de crise, as pessoas confiam principalmente na chamada mídia clássica (incluí rádio e TV). Também é pontuado que o rádio é um meio de confiança e entretenimento e a mídia de áudio acompanha as pessoas na vida cotidiana 24 horas por dia. O relatório também destaca como conclusão que “o rádio é uma garantia de alcance para anunciantes para o reinício do novo normal”.


Infográfico com alguns dos destaques do consumo de rádio e áudio na Alemanha / Crédito: Radiozentrale

Veja também:
> Veja aqui mais notícias sobre o atual momento do rádio em diferentes países
> Confira também as principais tendências para o setor de rádio e tecnologia

Com informações do portal Radiozene.de, Radiozentrale e AudioEffekt. Colaboração de David Duck

Teste
Daniel Starck

Daniel Starck é jornalista, empresário e proprietário do tudoradio.com (veiculo que atua há mais de 19 anos voltado aos interesses do rádio brasileiro e de seus ouvintes). Formado em Comunicação Social / Jornalismo pela PUCPR, Daniel também já teve passagens por rádios como CBN, Rádio Clube e Rádio Paraná. Também atua como palestrante e consultor nas áreas artística e digital.

https://www.tudoradio.com/noticias/ver/25760-o-radio-hoje-mesmo-com-a-pandemia-consumo-de-radio-na-alemanha-segue-elevado-meio-atinge-935-da-populacao