Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Na sua opinião, qual formato de rádio deverá passar por uma maior expansão no número de rádios no mercado brasileiro em 2020?

Enquete

Segunda-Feira, 12 de Setembro de 2011 @

Desastre em Santa Catarina também desperta discussões no rádio

sobre o meio rádio, as chuvas também causaram estragos no setor, como discussões sobre redes
Publicidade
Na última semana (entre os dia 7 e 9 de setembro) o Brasil acompanhou mais um triste capitulo da luta dos catarinenses contra os estragos ocasionados pelas fortes chuvas que frequentemente atingem a região. O Vale do Itajaí sofreu novamente com o trasbordamento de rios e deslizamento de terras nas encostas, causando transtornos a mais de 800 mil catarinenses. Essa triste história despertou várias discussões, inclusive no rádio.

No cenário mais abrangente a discussão foi referente a repetição de tragédias que poderiam ser evitadas ou pelo menos amenizadas. Depois dos problemas ocasionados pelas chuvas em 2008 pouco foi feito para diminuir os estragos em situações futuras. Prova foi o que aconteceu agora em setembro e também os dizeres de visitantes do Tudo Rádio que residem na região: ?Blumenau sempre alaga?. Esse debate também foi levantado pelas emissoras de rádio da região.

Agora sobre o meio rádio, as chuvas também causaram estragos no setor. Dessa vez não foram torres danificadas, interrupções de programação, entre outros prejuízos, mas sim o fato de reacender uma velha discussão: benefícios e malefícios ocasionados pela presença de redes nacionais em um mercado de rádio. Emissoras nacionais foram criticadas por não oferecer prestação de serviço relacionada às chuvas. Afiliadas de redes mantiveram as grades nacionais como se nada estivesse acontecendo na região. Detalhe: enquanto a Band FM tocava musica e ?interagia? com os ouvintes, toda Blumenau estava debaixo d?água .

A primeira vista a grande culpada é a Band FM. Outra vilã nessa história é a Jovem Pan 2, emissora que mesmo que tenha sua nova sede instalada e focada em Balneário Camboriú (local que não enfrentou problemas com as chuvas), sua cobertura de sinal é regional e sua cidade de origem estava novamente alagada (Itajaí). O mesmo vale para a Transamérica que seguiu com sua grade musical local e nacional, ao contrário da Menina FM de Balneário Camboriú que prestou serviço e cobriu todos os acontecimentos Mas essas emissoras nacionais sediadas em São Paulo são realmente as vilãs?

Não! É isso mesmo! Band FM, Jovem Pan 2, Transamérica... todas essas marcas não são as vilãs. Não foram elas que deixaram de prestar serviços a Blumenau, Itajaí, Brusque, Gaspar, Ilhota, Timbó e demais cidades que sofreram com as chuvas. Foram os afiliados! Geralmente as redes nacionais permitem a interrupção da grade nacional em casos excepcionais, como esse das chuvas. Um bom exemplo foi o caso da Antena 1, emissora que não tem tradição no jornalismo factual. A afiliada local da rede paulista saiu da grade nacional e entrou em cadeia com outras rádios locais, aumentando a área de prestação de serviço.

O mesmo ocorreu com as afiliadas da Mix FM e da Metropolitana que atuavam na região em 2008, emissoras que passaram a prestar informações a população atingida. O rádio possui um papel de grande importância para informar e, nesses casos, acaba sendo a única ferramenta de orientação da população e das autoridades em situações extremas como a ocorrida no Vale do Itajaí.

Faltou disposição a determinadas rádios para prestar informações à população, situação que não pode ser dirigida às marcas das redes nacionais, cabeças que geralmente incentivam a pratica da prestação de serviço. Já a 106.3 FM, emissora que durante os trabalhos como Mix FM chegou a prestar serviço a população principalmente em 2008, como Rede Aleluia não deixou de lado os programas ligados a Igreja Universal do Reino de Deus, deixando subtendida alguma imposição da matriz.

Quero aproveitar para parabenizar as coberturas realizadas por todas as rádios catarinenses que prestaram serviços a população. Tiveram papeis fundamentais as rádios 92 FM de Timbó, as duas estações da Guararema (Blumenau e Brusque), Menina FM (Blumenau e Balneário Camboriú), 89 FM de Gaspar, 102 FM de Itajaí, entre outras. Quero também destacar a cobertura realizada pela Nereu Ramos AM, emissora que liderou uma cadeia de solidariedade formada pelas emissoras do grupo Força do Rádio (Nereu Ramos, 90 FM Lite Hits e Clube AM) e pela Antena 1 (saiba mais através do link a seguir).

Matéria do Tudo Rádio sobre o ocorrido em SC: Antena 1 se une ao grupo Força do Rádio para cobertura das enchentes em Blumenau


Tags:

Compartilhe!

Colunista
Daniel Starck

Daniel Starck é empresario, jornalista e proprietário do tudoradio.com (veiculo que atua há mais de 17 anos voltado aos interesses do rádio brasileiro e de seus ouvintes). Formado em Comunicação Social / Jornalismo pela PUCPR, Daniel também já teve passagens por rádios como CBN, Rádio Clube e Rádio Paraná. Também atua como consultor nas áreas artística e digital.



Mais tudoradio.com



tudoradio.com © 2001 - 2019 | Todos os direitos reservados
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.