Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Na sua opinião, qual formato de rádio deverá passar por uma maior expansão no número de rádios no mercado brasileiro em 2020?

Enquete

Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014 @

É preciso cuidar do FM

Interferências podem tornar inviável a disseminação de conteúdo radiofônico via FM

Publicidade

É inevitável que boa parte das discussões que envolvem o futuro do rádio estão relacionadas à internet ou à possível implantação de tecnologias como o rádio digital. Porém tem algo que precisa ser mantido em pauta e discutido com frequência: o cuidado com o nosso FM. Eu vou explicar: o FM é uma maneira simples de disseminação de conteúdo radiofônico para uma determinada localidade. Simples para o ouvinte, que não paga por isso e ainda possui uma série de aparelhos receptores de diferentes preços e tamanhos para poder acompanhar o rádio FM. E a tendência é que essa modalidade ganhe força com a migração das AMs, fato que aumentará a presença de estações no dial FM. Mas a dúvida que eu tenho é a seguinte: o FM poderá ser substituído pela internet por qual motivo? O on-line é melhor na maioria dos aspectos ou o FM cometerá suicídio? Vou explicar a razão dessa minha dúvida.

A eficiência do FM passa pelo espectro. Se bem gerido a modalidade de sintonia via FM continuará em alta por um bom tempo, justamente por ser um meio gratuito (mesmo com a internet podendo custar alguns centavos, mas ainda custa algo – lembrando que a maioria esmagadora dos internautas móveis utilizam planos pré-pagos e vivem sem créditos). Não estou negando que o futuro da transmissão radiofônica possa passar pelo on-line, isso ninguém sabe ainda. Porém o próprio FM pode apressar um processo como esse. Como? Ignorando fatores que atrapalham e minam a facilidade que é acessar um conteúdo sonoro via FM.

As interferências causadas por emissoras clandestinas ou até mesmo pelas legalizadas “desreguladas tecnicamente” têm tornado a tarefa de sintonizar rádios um pouco árdua do que o habitual. Isso ocorre principalmente em grandes centros. Vale lembrar que boa parte da audiência radiofônica não dispõe de rádios seletivos e de ótima recepção, ou seja, qualquer interferência pode ser mortal ao meio. Sem uma fiscalização que vise o bom uso do espectro e políticas que também olhem para como outros setores da sociedade estão utilizando ou interferindo na radiofrequência, o FM pode ter uma trajetória bem parecida com o AM brasileiro: virar algo inviável de sintonia e pouco presente em aparelhos eletrônicos.

O rádio sempre teve que brigar com elementos naturais da topografia e, mais recentemente, com obstáculos criados pelo próprio homem (construções civis desordenadas nos grandes centros, algo que tem gerado dor de cabeça até para a telefonia móvel – os famosos 2G, 3G e 4G). Essa luta tende a ficar mais difícil se o próprio meio não se ajudar, principalmente na questão de interferências por deficiências técnicas e também o grande número de rádios irregulares no espectro.

Talvez com a migração das AMs o espectro FM ganhe ainda mais importância e fique por mais tempo na vitrine, motivando um cuidado maior com o que é feito dele. E também incentivos aos fabricantes de receptores e celulares para que mantenham/criem novas opções de utilização do FM (com rádios acessíveis, bonitos, cheios de recursos, atenção para o RDS...). Essa é a minha esperança, tendo um futuro onde o FM continue sendo uma opção importante e caminhe de mãos dadas como a internet. Teríamos o rádio em todas as partes, seja via FM, internet, canais de áudio em TV por assinatura (satélite/cabo), entre outras modalidades de transmissão.

 

Tags: Espectro, FM, cuidados, sintonia, interferência, internet, rádio, AM, FM

Compartilhe!

Colunista
Daniel Starck

Daniel Starck é empresario, jornalista e proprietário do tudoradio.com (veiculo que atua há mais de 17 anos voltado aos interesses do rádio brasileiro e de seus ouvintes). Formado em Comunicação Social / Jornalismo pela PUCPR, Daniel também já teve passagens por rádios como CBN, Rádio Clube e Rádio Paraná. Também atua como consultor nas áreas artística e digital.



Mais tudoradio.com



tudoradio.com © 2001 - 2019 | Todos os direitos reservados
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.