Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Na sua opinião, qual formato de rádio deverá passar por uma maior expansão no número de rádios no mercado brasileiro em 2020?

Enquete

Sexta-Feira, 21 de Agosto de 2015 @

Diz aí! | Farroupilha em FM: uma confirmação e muitas possibilidades

O "Diz Aí" traz mais um texto de um professor universitário sobre a ida da Rádio Farroupilha para o FM.

Publicidade

O Tudo Rádio publica hoje mais uma coluna que abre espaços para profissionais do rádio exporem textos que contribuam com o meio, independente da linha editorial abordada. Os materiais que forem enviados ao portal passarão por análise, não sendo obrigatória por parte do portal a publicação dos textos (e também sem prazos definidos). A idéia é boa? Favorece o meio? Ajuda os profissionais? Vamos publicar conforme a agenda da redação do portal.

Hoje vamos com a contribuição de Luiz Artur Ferraretto, professor do curso de Comunicação Social – Jornalismo e do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. Boa leitura!

Farroupilha em FM: uma confirmação e muitas possibilidades

Obviamente que tudo a seguir são conjecturas, observações de um apaixonado em rádio feitas em cima do lance, no calor dos acontecimentos. Creio que, de fato, toda mudança é boa. Isto não significa dizer que toda mudança é 100% correta e isenta de riscos ou de insucesso. Ao agitar o mercado do Rio Grande do Sul com a extinção, pelo menos neste momento, da marca Cidade devido ao espelhamento das irradiações da Farroupilha em frequência modulada, o Grupo RBS pode assinalar caminhos, a médio prazo, para outros conglomerados de comunicação brasileiros. Em realidade, sabe-se que está seguindo o já feito por empresas como os Diários Associados e o Sistema Globo de Rádio, respectivamente com emissoras como as cariocas Super Rádio Tupi e Globo, ambas de perfil semelhante ao da Farroupilha. A própria RBS já havia tomado atitude semelhante em relação à Gaúcha, hoje uma das mais bem sucedidas emissoras talk dedicadas ao jornalismo no país. O que diferencia, então, a decisão noticiada em primeira mão pelo Tudo Rádio no dia 7 de julho de 2015, e, em seguida, confirmada pela RBS, enquanto os comunicadores da Cidade despediam-se dos ouvintes no microfone da emissora e nas redes sociais?

No mercado de Porto Alegre, a comparação óbvia do impacto da extinção da Cidade ocorre em relação à idêntica e recente atitude do Grupo Bandeirantes de Comunicação ao transformar a Ipanema FM em um mero canal de áudio musical com transmissão on-line. Como agora, houve comoção dos ouvintes, mas, em certa medid, manteve-se a tradicional marca de rádio musical jovem associada a bom grau de contestação por nunca ter se rendido ao Top 40. O nível de desgaste da própria Ipanema era significativo e, em grande parte, provocado pela histórica falta de investimento da Bandeirantes nesta emissora, talvez a mais porto-alegrense de todas e cujo papel muitos reduzem à divulgação do rock. A Ipanema, embora com bons resultados comerciais em muitos períodos de sua história, era considerada alternativa em demasia inclusive dentro do grupo do qual faz parte. Em realidade, vendo o mundo de suas salas no bairro Morumbi em São Paulo, os gestores da Bandeirantes, não raro, deram a impressão de que a Ipanema não incomodava apenas A concorrência.

A Cidade, ao contrário, foi a emissora que o Grupo RBS não conseguiu dobrar. Em 1990, mais ou menos na linha do “se você não consegue vencer alguém, una-se a ele” – no caso, compre a concorrente –, os Sirotsky adquiriram a rádio junto à família Nascimento Britto. A marca Cidade, no entanto, tinha tanta força que foi necessário reposicioná-la, buscando um segmento jovem mais das classes B e C do que o visado pela Atlântida FM, a rádio da RBS até então quase sempre batida pela estação recém-agregada ao grupo.

Nos últimos tempos, no entanto, a situação configurava-se de modo desfavorável para a Cidade na disputa com duas outras estações focadas no segmento jovem popular: a 104 FM, constantemente líder de audiência em frequência modulada, e a Eldorado FM, não raro a segunda no ranking. O fim da Cidade, portanto, inclui também certa dose de capitulação do Grupo RBS em relação à Rede Pampa, proprietária justamente destas estações e que tem no seu comando um dos pioneiros do rádio popular e da segmentação no Rio Grande do Sul, o empresário Otávio Dumit Gadret. Ambas disputam com formatos de programação diferentes quase o mesmo segmento da Cidade e da Farroupilha. A mudança, como se diz, pode ser uma forma de comer o mingau pelas beiradas. Pode ser também uma jogada arriscada ao liberar no mercado comunicadores como Adriano Moraes, Arlindo Sassi e Mauri Grando, este último o gestor responsável pelo reposicionamento mais popular da Cidade em 1995, quando se transferiu da Universal, da família Gadret, para a RBS. Aliás, o retorno da Universal, rádio há mais tempo fora do dial local, mas também pranteada pelos saudosistas, poderia ser uma cartada do sempre surpreendente Otávio Gadret, criador da Grenal, a grande novidade em termos de formato de programação dos últimos anos em Porto Alegre.

No terreno das possibilidades, a ida da Farroupilha para o FM talvez venha a se transformar no principal marco do rádio este ano no Rio Grande do Sul. A emissora tem entre seus comunicadores dois dos mais populares radialistas do estado, Sergio Zambiasi e Gugu Streit, e sempre foi apontada como a responsável pela Região Metropolitana de Porto Alegre concentrar há décadas a maior quantidade de ouvintes de amplitude modulada entre as praças pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística. É possível até que roube público de outras estações talk, mesmo que dedicadas ao jornalismo. Afinal, ouvintes potencialmente da Farroupilha podem ter deixado de escutar a emissora, optando por uma das várias ofertas de rádios faladas existentes em FM. E obviamente vai atingir estações como a 104 e a Eldorado. Devido às possibilidades de concorrência a ser oferecida pela Farroupilha em relação a estas rádios da Rede Pampa, é que parece não ter lógica a dispensa de profissionais conhecidos ligados à Cidade. Um exemplo apenas: Arlindo Sassi, comunicador do programa romântico Love Songs, cairia como uma luva em uma programação renovada da Farroupilha para a sonoridade dos anos 2010. Poderia, inclusive, reforçar a oferta de conteúdo da emissora nos finais de semana, período em que rádios populares, sem o recurso das irradiações esportivas, registram natural queda de audiência. Por sinal, Sassi já trabalhou, inclusive, na própria Farroupilha.

Particularmente, acho a sonoridade da Farroupilha algo datada. Aliás, este tem sido um erro de outras estações ao espelharem a sua programação em frequência modulada. A RBS, no entanto, tem boa experiência neste sentido. Quando a Gaúcha passou a ter seu sinal também em FM, houve todo um cuidado para que o novo momento se fizesse acompanhar de uma plástica mais moderna. Ser, aliás, coerente com o seu tempo fez com que o grupo dos Sirotsky soubesse usar extremamente bem as redes sociais para a sua emissora dedicada ao jornalismo. Tudo indica que este cuidado será repetido com a Farroupilha.

Como disse, tudo são conjecturas. No momento, o mercado do Rio Grande do Sul vive um clima de expectativa em relação aos próximos passos do Grupo RBS. Na observação atenta do adversário de respeito – a Farroupilha – a invadir terreno antes quase exclusivamente seu, a Rede Pampa vai aguardar na defesa. Ninguém se surpreenda, entretanto, se o matreiro Gadret tiver lá alguns ases na manga. Quem sabe traga, como já fez há alguns anos, para o FM a Caiçara, emissora popular há mais tempo em atividade na Grande Porto Alegre. Lembram? Segue em AM e, que ninguém se engane, com uma equipe afiada. Nela, como o seu slogan de rima simples indica, “a música não para”. A Caiçara, no entanto, também fala – e muito – com os seus ouvintes.

Por Luiz Artur Ferraretto

Tags: Farroupilha, Cidade FM, Porto Alegre, Grupo RBS, trajetória

Compartilhe!

Colunista
Diz aí!

O Diz aí é um espaço que o Tudo Rádio dedica à textos criativos e que contribuem com o crescimento do meio rádio. Se você tem um material que considere ser importante para compartilhar com outros profissionais, mande para a redação do Tudo Rádio dar uma olhada. Após uma análise (sem prazo definido, obedecendo as prioridades da agenda da redação do Tudo Rádio) o texto poderá aparecer aqui, com os devidos créditos. Participe!



Mais tudoradio.com



tudoradio.com © 2001 - 2019 | Todos os direitos reservados
Marcas que pertencem ao tudoradio.com:
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.