Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Qual o tipo de conteúdo que você prefere consumir no rádio?

Enquete

Quarta-Feira, 03 de Agosto de 2016 @

O rádio como curador musical

Publicidade

Os assuntos parecem se repetir devido as incertezas que cercam o meio rádio. Temas como “a sobrevivência do rádio” perante as novas mídias, com destaque para o papel do rádio musical nesse novo cenário. Olha, o Tudo Rádio já publicou uma série de panoramas e pesquisas que mostram como o veículo rádio tem se adaptado aos novos cenários ao longo dos anos, inclusive agora. Porém é necessário termos alguns cuidados para tornar esse processo mais tranquilo, principalmente para o ouvinte. E um deles é o papel de “curador” que o rádio possuí na área musical. “Se toca no rádio, é sucesso”. 

Bem, é sucesso sim. Mas não lançamento. O rádio deve lançar pouco, papel que está sendo bem desempenhado pelos serviços de internet, entre outros veículos. O rádio vem na sequência: é o carimbo do que é sucesso e do que é considerado bom. Se toca no rádio, é garantia de que aquele som agrada ?àqueles que ouvem a emissora. Pensando nisso, creio que fica ainda mais em evidência o papel fundamental do programador musical. Sempre foi importante, mas talvez agora isso fique escancarado para quem ainda teimava com esse fato. Uma grade musical bem elaborada, condizente com o projeto artístico levantado pela rádio, vai ser o diferencial na hora do ouvinte escolher se continua consumindo uma programação musical ou se migrará para outras ferramentas. Claro que o uso de um não exclui o outro, sendo complementares.
 
Vamos lá: o sujeito tem uma lista de músicas em MP3. Uma hora ele cansará da sequência e precisará atualizar a playlist. Onde ele encontrará um local que comprove o que “bomba no momento”? No rádio. E mais: é no rádio que o público encontrará uma sequência musical planejada, que prenda a audiência e não atua como um “modo automático e aleatório” de execução de músicas.
 
Falando em modo automático, durante as minhas viagens ?à trabalho, estive hospedado em um hotel que deixava uma sequência “pop-rock” (porém com uma pegada mais acústica), utilizando um famoso serviço de streaming. Qual é o problema? A sequência. Apesar do mesmo “estilo”, uma música não conversa com a outra. E mais: a sequência se repete, ainda mais para quem teve que ficar mais de 1 dia no local. Me peguei pensando “eu já ouvi essa música ontem” e “ué, essa também”. Uma rádio poderia facilmente resolver esse problema, mas nesse caso a região onde eu estava não contava com uma FM com break inferior a 10 minutos (tema da minha próxima coluna) e não atendia o público que o hotel julgava ser a sua clientela. 
 
Eu tenho procurado seguir uma linha de raciocínio e assuntos similares nas últimas colunas, como na última, onde eu abordo algumas “armadilhas” que possuem no meio. E lembro bem de ter alertado sobre a importância de uma programação musical bem feita. Mas é claro que o primeiro passo é conhecer o seu público-alvo, para a partir daí planejar passos como a linguagem e a grade musical.
 
Ficou alguma dúvida? Crítica? Sugestão? Será um prazer trocar uma ideia com você. Entre em contato comigo via [email protected]. Até a próxima!
Tags: programação, musicas, importância, planejamento

Compartilhe!

Colunista
Daniel Starck

Daniel Starck é empresario, jornalista e proprietário do tudoradio.com (veiculo que atua há mais de 17 anos voltado aos interesses do rádio brasileiro e de seus ouvintes). Formado em Comunicação Social / Jornalismo pela PUCPR, Daniel também já teve passagens por rádios como CBN, Rádio Clube e Rádio Paraná. Também atua como consultor nas áreas artística e digital.



Mais tudoradio.com



tudoradio.com © 2001 - 2019 | Todos os direitos reservados
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.