Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Na sua opinião, qual formato de rádio deverá passar por uma maior expansão no número de rádios no mercado brasileiro em 2020?

Enquete

Quinta-Feira, 16 de Novembro de 2017 @

“Fake News” e o rádio: relação que afeta a credibilidade do meio

Ler no ar textos publicados nas redes sociais pode ser uma armadilha para os profissionais de rádio e para os ouvintes

Publicidade

Você provavelmente já leu ou ouviu algo sobre o que é “fake news” e os impactos que essa prática tem causado em vários setores da sociedade. Por algum motivo (seja de “apenas” má fé ou somado à questões econômicas - como a busca de “cliques / views”), alguém espalha uma mentira numa rede social ou distorce um fato concreto, causando prejuízos para aqueles que levam como verdade o assunto em questão. E a saída é uma rápida pesquisa pela mídia para ver se aquele assunto bate, através de fontes que contam com credibilidade. O rádio pode ser uma dessas fontes? Sim! Deve! Mas existem práticas que podem mais atrapalhar do que ajudar o nosso meio. 

Do mesmo jeito que a população em geral pode acreditar numa notícia falsa, o jornalista/radialista também pode. E isso é um grave problema, pois ao acontecer isso o profissional deixa de contribuir com o seu público, além de ampliar o raio de “abrangência” de um “fake news”. É aí que mora o perigo e já tem afetado severamente a credibilidade do meio rádio. Se um jornalista/radialista propaga uma mentira, ele pode jogar no lixo a sua carreira, a reputação da rádio onde trabalha (que deixa de ser confiável para o seu público), além de prejudicar a sua audiência.

As dicas dadas para a população de como enfrentar o “fake news” também servem para os profissionais de rádio. Mas isso é apenas um ponto de partida. Vale lembrar que a responsabilidade do radialista é maior, pois ele pode promover ou ampliar a mentira. Parece óbvio, mas isso já é notado pela população em geral, principalmente em mercados menores. 

Não é demais lembrar que, ao receber uma informação via internet, o radialista precisa checar de todas as maneiras possíveis. Em último caso, se não conseguiu aferir a veracidade daquela informação, é melhor não noticiar sobre ou no máximo alertar de que a notícia ainda não foi confirmada (dependendo do caso e da gravidade). Apenas ler no ar postagens feitas no Facebook/Twitter ou repassadas via WhatsApp pode ser uma prática extremamente perigosa.

Se uma determinada emissora opta por trabalhar com jornalismo (mesmo que seja através de notas curtas e comentários), é preciso ter cuidado na capacitação de sua equipe, passando pelos radialistas, jornalistas e com uma boa equipe de produção nos bastidores. E isso é regra, independente do tamanho da emissora e de sua equipe de profissionais. 

A credibilidade do rádio é alta e esse é um dos diferenciais do meio perante outros formatos de comunicação. Manter isso intacto é fundamental para as pretenções de qualquer emissora e profissional, além de ser um dever perante o seu público (ouvintes).

Tags: Fake News, cuidados, rádio, credibilidade, notícias, radialistas

Compartilhe!

Colunista
Daniel Starck

Daniel Starck é empresario, jornalista e proprietário do tudoradio.com (veiculo que atua há mais de 17 anos voltado aos interesses do rádio brasileiro e de seus ouvintes). Formado em Comunicação Social / Jornalismo pela PUCPR, Daniel também já teve passagens por rádios como CBN, Rádio Clube e Rádio Paraná. Também atua como consultor nas áreas artística e digital.



Mais tudoradio.com



tudoradio.com © 2001 - 2019 | Todos os direitos reservados
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.