Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Ao buscar por uma rádio, que tipo de conteúdo você procura?

Enquete

Terça-Feira, 27 de Julho de 2021 @

Com um microfone na mão podemos fazer tudo!

A trajetória do rádio é repleta de adaptação às novidades e ressurgimentos. Continua e continuará sendo um veículo insubstituível

Publicidade
Meu nome: Paulo Machado de Carvalho Neto. Nome Profissional: Paulito Carvalho. Profissão Radialista e Publicitário com registro no Ministério do Trabalho e também Administrador com registro no CRA. Nascido numa família que desde 1931 dedica-se exclusivamente a radiodifusão sonora e de áudio e vídeo. Fui Presidente da ABERT Associação Brasileira de Rádio e Televisão; fui Presidente da AESP Associação das Emissoras de Rádio e TV do Estado de São Paulo; fui Presidente do SERTESP Sindicato das Empresas de Rádio e TV do Estado de São Paulo; fui Membro Efetivo do CCS Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional. Tudo isto para dizer que foi o rádio que me deu estas oportunidades.

Comecei trabalhando ainda menino aos 14 anos com Carteira Profissional do Menor. Naquela época podia. Conheci e convivi com os grandes nomes da época. O rádio tinha produtores, redatores, músicos, sim tínhamos uma orquestra que executava ao vivo as atuais vinhetas ou vinhetões que na época chamavam-se de “cortina musical” ou de “BG”.A programação era transmitida nas 24 horas do dia “ao vivo” e muitos programas em auditório com a presença de público que assistia aos programas de rádio. Organizávamos e transmitíamos pelo rádio programas ao vivo diretamente dos bairros como o conhecido “Alegria dos Bairros”. Fizemos Festivais de Música Sertaneja pelo Brasil todo. Promovemos e transmitíamos os Campeonatos Nacionais de Fanfarras e Bandas. 

Os comerciais da época denominados “reclames” ou “propagandas” eram lidos pelos locutores também ao vivo. Raramente usávamos um disco metálico com uma camada de resina que rodava em 78 rpm e que chamávamos de acetato. Fazer uma transmissão fora dos estúdios da emissora era uma epopeia, usávamos linhas telefônicas cuja qualidade na maioria das vezes era sofrível. Isto quando tínhamos a previsão da programação externa. Muitas vezes para noticiar um fato ao vivo os nossos operadores de externa tinham que subir nos postes “grampear” um telefone de um assinante qualquer para ligarmos para a central de operações na rádio para colocar a notícia no ar.Com isto tudo fazer rádio era, e é apaixonante. Quantas vezes varávamos a noite na emissora trabalhando para fazer o melhor rádio. 

O rádio tem a CRIATIVIDADE e a IMAGINAÇÃO.O rádio usa o mais sensível dos sentidos humanos a audição. O rádio possibilita o despertar da imaginação onde a princesa não é só bonita ela é belíssima. É o grande companheiro de todas as horas no mourão das cercas dos pastos brasileiros aos mais elegantes automóveis. É o único veículo de comunicação eletrônica de massa que possibilita sua audiência desenvolvendo outros afazeres simultaneamente. O rádio evoluiu tecnicamente. Passamos a usar a portabilidade dos gravadores portáteis de áudio. Usamos os famosos comunicadores Motorola nos carros de reportagem. Dos antigos acetatos para transmitir comerciais passamos para as cartucheiras com fitas magnéticas especiais. Esta evolução foi extraordinária mas infelizmente fez com que em alguns momentos nós abandonássemos a interatividade com o nosso ouvinte, o “falar ao pé do ouvido”. 

O rádio de hoje tem uma tecnologia invejável. Equipamentos todos computadorizados, usamos IP, inteligência artificial, equipamentos sofisticadíssimos e extremamente velozes mas ao longo do tempo fomos perdendo aquilo que talvez de mais importante tivéssemos a CRIATIVIDADE, a IMAGINAÇÃO e a INTERATIVIDADE com o nosso público ouvinte. Nasci e cresci no rádio em Ondas Médias (AM).

Fui diretor geral durante 20 anos de uma emissora de rádio cuja audiência medida pelos institutos de pesquisa, dela sozinha, era maior do que a da segunda, terceira e quarta somadas. Era a minha querida Rádio Record em 1000 Khz com 200.000 watts de potência. Chegávamos a todo o território nacional. O desenvolvimento das cidades, a rede elétrica, os modernos equipamentos começaram a interferir na qualidade sonora da transmissão e captação em Ondas Médias. Tínhamos que optar por uma alternativa que solucionasse este problema que aumentava a todo instante. O Brasil optou pela migração para a faixa de FM.

COM UM MICROFONE NA MÃO PODEMOS FAZER TUDO!

Outros países buscaram outras tecnologias como o rádio híbrido, ou satélital, ou como os europeus pelo DRM. Com todas estas mudanças o rádio começou a corrigir o seu rumo. Buscou a segmentação da sua programação e comercialização. Encontrou novamente a interatividade com seu público ouvinte. Recomeçou a fazer programas com presença de público e música ao vivo. Ressurgiu. 

O rádio moderno migrou hoje para as multiplataformas com a interatividade do vídeo. Está e estará presente numa infinidade de aplicativos. Sua audiência não depende mais do receptor “rádio”. Ele é ouvido e “visto” praticamente em todos os equipamentos de recepção sonora sejam celulares, smartphones, equipamentos de inteligência artificial, etc. 

Voltamos as origens onde o público participa e interage com o rádio. Continua e continuará sendo um veículo insubstituível, televisão, internet, a tecnologia nada matou o rádio. O radio adaptou se e integrou se a estas novas realidades, mas sempre vivo e presente.

“A gente nunca se esquece de quem não se esquece da gente”

Tags: rádio, TV, trajetória, veículo, meio, história, emissoras, curiosidade

Compartilhe!

Colunista
Paulito Carvalho Paulo (Paulito) Machado de Carvalho Neto é diretor da Rede Jovem Pan. Foi presidente das associações AESP (2015 a 2020) e da ABERT (2000 a 2004). Também foi diretor do Grupo Record.










tudoradio.com © 2004 - 2022 | Todos os direitos reservados
Mais tudoradio.com:
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.