Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Você confia na prestação de serviço e nas informações veiculadas pelo rádio sobre a pandemia da covid-19?

Enquete

Quinta-Feira, 02 de Setembro de 2021 @

A mulher no rádio – A voz em busca de mais espaço e respeito

Publicidade
O mundo mudou. Vivemos em um período conturbado, acelerado e cada vez mais tecnológico.
O rádio sobreviveu a todas as fases, se transformando e mantendo seu posto de veículo de comunicação com grande penetração e relevância de mercado.

Neste momento é a hora de falarmos sobre a posição da mulher e como ela é tratada.

A mulher vem ganhando cada vez mais espaço no mercado de trabalho. E no rádio não é diferente. Desde os primórdios, as mulheres sempre tiveram um papel fundamental no crescimento e na popularização desse veículo tão apaixonante. A história do rádio acompanha a emancipação da mulher no Brasil. 

Vamos voltar no tempo... Maria Beatriz Roquette-Pinto foi uma das primeiras locutoras do Brasil. Isto ocorreu na década de 1920, ao mesmo tempo em que seu pai Edgard Roquette-Pinto realizava as primeiras transmissões oficiais com autorização do governo. Ela fez história, além de locutora, foi diretora de programação, produtora e exerceu outros cargos que iam além da área artística. Um marco para a época já que, no início dos anos 20, a mulher era totalmente limitada. Para trabalhar, ela precisava de autorização da família, do pai ou do irmão. Além disso, havia lugares considerados propícios para elas, e o ambiente de rádio não era, definitivamente, um deles. 

Mas o meio, altamente masculino, se rendeu a diferença que elas faziam. 

E como a mulher fez a diferença no rádio... Tivemos Carmen Miranda, Emilinha Borba, Marlene, Dalva de Oliveira, Aracy de Almeida e tantas outras que deixaram sua marca com suas vozes únicas que dispensavam qualquer tipo de auto tune moderno.

Existe inclusive um livro interessante chamado de “As Divas Da Rádio Nacional” do autor Ronaldo Conde Aguiar. A obra é um tributo a essas mulheres que eram consideradas as estrelas do rádio brasileiro. Uma viagem fascinante a uma época que dá muitas saudades. Fica a dica. 

E assim, as mulheres foram ocupando seu espaço. Programas conduzidos por elas fizeram parte da luta por direitos básicos. Muitas vezes, essas apresentadoras usavam nomes artísticos e pseudônimos como uma forma de autoproteção aos julgamentos da sociedade da época. Com o passar do tempo, a mulher usou o rádio para ter ainda mais voz expondo questões voltadas a trabalho, cidadania e, principalmente, violência contra a mulher.

E foi a através de debates construtivos que o rádio seguiu tendo uma presença considerável na vida das diferentes mulheres brasileiras mostrando um enorme potencial na divulgação da luta por direitos iguais. 

E por falar em direitos iguais, no rádio ainda existe, mesmo que por debaixo dos panos, uma forte hierarquia masculina. Mulheres ainda brigam por respeito, mais espaços e equiparação salarial.

É triste ver que, muitos ainda veem as mulheres neste veículo apenas na área de entretenimento seja como uma voz ou um rosto representativo no promocional. 

Não!

A mulher no rádio é muito mais que isso e a história está aí para nos provar. Mas o que poucos sabem é que ainda existe o assédio neste meio. Assédio esse que levam mulheres a abandonar a sua profissão ou até mesmo desenvolver algum tipo de restrição seja na sua forma de pensar, trabalhar e até de se vestir.

Você sabia que quase metade das mulheres já sofreu algum assédio sexual no trabalho? Sim! Segundo pesquisa do LinkedIn e da consultoria de inovação social Think Eva que ouviu 414 profissionais em todo o país, de forma online. Entre elas, 15% pediram demissão do trabalho após o assédio. E apenas 5% delas recorrem ao RH das empresas para reportar o caso. Uma vergonha.

E você acha que o rádio está fora desse número? Não!

Para isso precisamos criar uma conscientização de que, a mulher é muito mais que um rosto e uma voz bonita no rádio.  Ela faz parte do DNA desse importante veículo de comunicação das massas. 
A mulher pode sim, vestir o que quiser, seja curto ou longo. E os demais terão que respeitar. A mulher pode sim, ocupar cargos altos. Ela pode ser a locutora ou a diretora artística. Ela pode ser o ouro e a prata.  Ela pode ser o que ela quiser. E os homens devem respeitar. 

Não é o sexo que define seu potencial. Não é sua roupa que define seu cargo. 

O respeito a mulher no mercado de trabalho exige atenção. No rádio já tivemos diversos casos relacionados a assédio, machismo, misoginia e sexismo. Chegou a hora de evoluir e dar um basta.

Respeito para elas que tanto fizeram esse meio popular com suas vozes encantadoras e com seu trabalho duro em matérias libertadoras. 

O rádio, assim como todo veículo de imprensa é livre. Que nada nos defina, nos limites e nos sujeite. Que a liberdade e o respeito venham sempre na equalização perfeita que tanto apreciamos. 

See ya!
Aly Frts

Tags: mercado, comunicação, trabalho, profissionais, tendências, desigualdade, gênero, rádio

Compartilhe!

Colunista
Aline Freitas Aline Freitas é empresária, produtora artística e radialista com passagem por emissoras do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Paraná entre elas, Jovem Pan, Rádio Cidade, Jb Fm, Extra Fm, entre outras. Também atua como consultora em marketing digital.










tudoradio.com © 2004 - 2021 | Todos os direitos reservados
Mais tudoradio.com:
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.