Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

O áudio digital está crescendo em consumo. Isso inclui o streaming das rádios. E ai? Os streamings das suas estações preferidas estão...

Enquete

Quinta-Feira, 02 de Dezembro de 2021 @

Rádio e metaverso: ironias e oportunidades

Fernando Morgado analisa o impacto do metaverso e fala como ele pode gerar novos negócios para as emissoras

Publicidade
Quem diria? Depois do rádio, do cinema, dos jornais, das revistas e da TV, chegou a vez da Internet ser jurada de morte. E o algoz do momento se chama metaverso. Mas alguém pode perguntar: "O metaverso não se baseia na web? Então como ele mataria a própria web? Isso não é um contrassenso?". Sem dúvida, dizer que o metaverso matará a Internet é um disparate tão grande quanto dizer que a televisão matará o rádio. Vale lembrar, inclusive, que a TV se baseou no rádio tanto em termos tecnológicos (o sinal de televisão aberta é FM) quanto comerciais (o modelo de negócio fundado em venda de tempo para publicidade nasceu nas emissoras AM). De todo modo, é curioso ver a Internet, que parecia tão intocável e perfeita, já estar, na cabeça de alguns apocalípticos, com os dias contados.

Há muita confusão a respeito do conceito de metaverso, mas uma coisa é certa: ambientes tridimensionais e virtuais habitados por avatares estão longe de ser algo novo. O Second Life, criado em 1999 e lançado em 2003, já oferece isso. A recente lufada de frescor veio do Facebook, que, no fim de outubro de 2021, lançou uma nova marca corporativa (Meta) e tornou público os seus investimentos em metaverso. Assim, buscou lustrar sua imagem corporativa, que anda muito opaca, e renovar seu portfólio, que, apesar de valiosíssimo, enfrenta uma concorrência crescente, principalmente entre os usuários mais jovens.

O simples pronunciamento de Mark Zuckerberg já abriu a porteira para novos negócios. Mais aparelhos conectados são anunciados. Imóveis virtuais atraem investidores. Recentemente, por exemplo, um terreno no jogo on-line Decentraland foi vendido por cerca de 13 milhões de reais. Quem lida com criptomoeda, que tem tudo a ver com metaverso, esfrega as mãos, ansioso com a valorização do seu patrimônio. Mas o que os veículos de comunicação, notadamente as rádios, podem esperar disso tudo?

A ambição do Facebook, ou seja, da Meta, é grande: quer levar para um patamar muito superior as relações atualmente estabelecidas nas redes sociais. Hoje, tais relações se dão basicamente através de conteúdos: fotos, textos, vídeos etc. No metaverso, espera-se que as conexões ocorram de forma mais direta entre indivíduos e marcas em ambientes que misturam elementos concretos e virtuais.

Caso essa transição ocorra, o rádio terá espaço, por exemplo, para reforçar uma de suas maiores vocações: a realização de projetos especiais. Casas de shows, lojas, praças e ruas construídas no metaverso permitiriam a realização de ações on-line tridimensionais. Isso mudaria até as promoções mais simples. Emissoras sorteariam desde equipamentos para uma melhor experiência do usuário, como óculos e luvas, até artigos puramente virtuais, como bonés e camisetas para avatares. No metaverso, os posts medidos por likes dariam lugar a ações cujas métricas, até o presente momento, não estão claras. De todo modo, já se sugere uma mudança de paradigma.

É cedo para enxergar o futuro com nitidez. Vivemos a fase das especulações. Há muito por descobrir, principalmente quanto aos próximos passos que a Meta dará. Também há muito por fazer até que o metaverso se torne acessível para boa parte da população. Apesar do leilão do 5G, realizado recentemente, ainda falta para o Brasil entrar nessa nova era tecnológica. Muitos lugares continuam sofrendo com péssimas condições de conexão à Internet.

De todo modo, é preciso permanecer atento. A Meta é muito mais que uma empresa tecnológica, afinal, nos dias que correm, qualquer empresa é (ou deveria ser) tecnológica. A Meta é uma empresa de mídia, disputando o tempo da audiência e a verba dos anunciantes. Sendo assim, seus movimentos impactam todos os veículos, inclusive as rádios, que nos últimos anos moldaram suas áreas de conteúdo e marketing para atuarem no velho Facebook e agora correm o risco de mudar tudo outra vez para se adequarem ao metaverso. Só espero que, ao contrário do que se vê nas redes sociais de hoje, o metaverso não abra espaço para desinformação e traga uma remuneração justa para aqueles que, como as rádios, se dedicam à produção de conteúdo profissional.

Tags: metaverso, conteúdo, rádio, digital, tendência, futuro

Compartilhe!

Colunista
Fernando Morgado Profissional de marketing e inteligência de mercado. Professor das Faculdades Integradas Hélio Alonso. No Grupo Globo, trabalhou na área de inteligência de mercado e no planejamento estratégico das rádios. Como consultor e palestrante, já atuou para empresas e instituições como ABERT, AERP, Americanas, SBT e Sebrae. Possui livros publicados no Brasil e no exterior, incluindo o best-seller Silvio Santos – A Trajetória do Mito. Membro da Academy of Television Arts & Sciences, entidade realizadora dos prêmios Emmy. Foi coordenador adjunto do Núcleo de Estudos de Rádio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestre em Gestão da Economia Criativa e especialista em Gestão Empresarial e Marketing pela ESPM. Site: fernandomorgado.com










tudoradio.com © 2004 - 2022 | Todos os direitos reservados
Mais tudoradio.com:
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.