Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

O áudio digital está crescendo em consumo. Isso inclui o streaming das rádios. E ai? Os streamings das suas estações preferidas estão...

Enquete

Segunda-Feira, 11 de Abril de 2022 @

Como fica a gestão do rádio com tanta tecnologia?

Publicidade
Entre os muitos debates em torno do meio rádio temos um que sempre acaba em discussões acaloradas: a gestão das emissoras e empresas do setor de radiodifusão. Ou seja: a gestão do rádio está sempre em pauta. O principal ponto de discórdia está no perfil da administração e da falta de entendimento por parte dos gestores que as instituições do meio têm características próprias. Dessa forma, temos profissionais de outras áreas que se tornam “chefes de emissoras” sem nunca ter ouvido rádio e outros que vêm do rádio, mas desconhecem qualquer ferramenta de gestão.

Marcus Aurélio de Carvalho — jornalista, professor e pesquisador de rádio — foi repórter, apresentador e gerente de emissoras, passando por Super Rádio Tupi do Rio de Janeiro, Sistema Globo de Rádio (Globo/CBN) e MEC AM. Com toda essa bagagem, ele afirma que parte do problema da gestão do rádio está no conceito equivocado de que fazer um curso MBA, ou outro de gestão, por si já garante experiência suficiente para administrar uma emissora, uma produtora ou qualquer instituição do meio radiofônico. Isso porque, para ele, o setor tem um perfil único que não permite um bom trabalho sem conhecimento de causa, somando entendimento do mercado e das tendências acadêmicas.

“A convergência de mídia é um fenômeno inevitável. A pessoa da mídia convergente que vem dirigir nem sempre é a de rádio. Para uma pessoa administrar uma rádio, no mínimo tem que ter alguma vivência de rádio”, afirma o pesquisador.

Para Marcus, as tecnologias aplicadas ao meio rádio trouxeram uma infinidade de possibilidades, mas com duas perguntas fundamentais para os gestores: o que fazer com todos esses recursos? Como utilizá-los de forma eficiente sem descaracterizar a emissora ou o meio? As respostas estão na postura do gestor em ter atitudes proativas em buscar entender desse “novo mundo” e capacitar sua equipe para enfrentar esses desafios com trabalho. O que nos leva a outro questionamento fundamental, na opinião do radialista: saber para quem estamos falando…

Ele lembra que muitos profissionais fazem um bom trabalho na parte de gestão do rádio. Outros, no entanto, não conseguem identificar as características do público para o qual se está oferecendo conteúdo. Dessa forma, a comunicação se perde, pois “fala” para um público com a linguagem de outro. Ou, pior ainda: usa-se os microfones sem uma linguagem definida.


Marcus Aurélio de Carvalho.

O radialista usa como exemplo a Rádio Globo de São Paulo no período em que foi gerente, de 2007 a 2012. Quando chegou à capital paulista, a emissora já era líder de audiência entre as rádios do segmento talk (faladas), mas tinha a missão de qualificar mais o perfil dos ouvintes para ampliar o trabalho do comercial da empresa. Foi assim que, em cinco anos com ele responsável pela gestão da rádio, a emissora passou de aproximadamente 24% de público D/E para apenas 11% a 14% (dependendo do mês) e algo em torno de 86% a 89% de público A/B/C.

Para Marcus Aurélio de Carvalho, a estratégia só funcionou pelo empenho e engajamento das equipes de produção, sob o seu comando, e das demais, como a de operações com o comando de Alberto “Mamão” Pastre e Rosan Camilo Bento. O mesmo ocorreu no departamento de esportes, que contava com liderança do narrador Oscar Ulisses e do comentarista e apresentador Osvaldo Pascoal.

Em oposição a esse case de sucesso, Marcus recorda que também há casos de profissionais com uma bela trajetória no meio radiofônico, porém sem formação ou competências de gestão do rádio. O que leva a outros erros, como a má gestão de verbas e a inabilidade em administrar pessoas.

O jornalista e radialista dá a receita para quem quer atuar no setor de gestão do rádio. “A pessoa tem que ter a humildade e mergulhar em livros, pesquisas e materiais sobre rádio. Também tem que ouvir, ouvir e ouvir rádio. Só assim se pode entender o setor”, analisa.

Essa talvez seja a melhor escolha que o próprio Marcus tenha feito. Ele conta que desde muito cedo seus pais deixavam um “radinho” de pilha no berço para distrair o menino, nascido no bairro de Inhaúma, mais precisamente na comunidade da Fazendinha, subúrbio da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. O pai do radialista era técnico em consertos de aparelhos de rádio e televisores. Por isso, o menino e seu irmão, Hélio, cresceram em meio a transistores, tubos de TVs e carcaças de equipamentos.

Marcus Aurélio de Carvalho fala sobre gestão do rádio. 

O jovem Marcus Aurélio de Carvalho nasceu com catarata congênita e glaucoma, o que levou à perda do globo ocular direito aos sete anos e a ter apenas 10% de visão no olho esquerdo. O menino suburbano enfrentou a situação junto com sua mãe, dona Marly, que foi orientada a mantê-lo na escola comum para que pudesse se adaptar à realidade que viria pela frente. Com isso, Marcus acabou tendo uma infância pobre, mas feliz.

Ele conta que, aos 12 anos, já ouvia muitas emissoras cariocas e paulistas, pois o rádio já havia se tornado um companheiro de muitas horas. Foi quando decidiu que queria trabalhar no meio radiofônico. E não só conseguiu, mas se tornou o primeiro repórter de campo com baixa visão a atuar em rádio no Brasil. Foram oito anos, de 1984 a 1992, período em que foi repórter da Super Rádio Tupi do Rio de Janeiro. Porém, não foi fácil. Para poder ver melhor as jogadas, ele utilizava um óculos especial com uma outra lente sobreposta à da armação. Com ela, era (e ainda é) possível aumentar a imagem o suficiente para que ele pudesse dizer aos ouvintes os detalhes da jogada que acabara de ser feita.

“Eu ficava atrás do gol. Só que o problema é que a lente de aumento é cilíndrica e não tem um campo visual bom. Então eu ficava torcendo para o jogador não fazer lançamento longo porque eu me perdia. Cadê a bola? Porque se fizesse o passe curto, eu estou acompanhando com o olho ali, com a lupa. Mas se ele fizesse lançamento longo, eu ficava perdidinho”, relembra o jornalista.

Parte dessa história vitoriosa, Marcus atribui a sua mãe, dona Marly, que foi quem o levava aos médicos e buscava ajudá-lo com em suas necessidades especiais de baixa visão.

Em 1987, no o jogo do Campeonato Brasileiro entre Flamengo e Internacional, ele foi escalado para acompanhar a partida pela Tupi, ficando atrás do gol. O narrador o chamava e Marcus entrava comentando os detalhes ocorridos próximos da área — e ainda falava o nome do patrocinador.

Naquele jogo, o seu irmão conta que a família estava na casa do avô assistindo quando houve o gol e o Marcus entrou para comentar na rádio. Foi então que chamaram a dona Marly e colocaram os fones de ouvido nela e disseram: o Marquinhos está dando detalhes do jogo na rádio! Ela ficou incrédula, pois havia percebido que o menino que ela ajudara a contar e fazer as lições de casa tinha se tornado um profissional de comunicação.

“A dona Marly faleceu dois anos depois, em 1989, mas viu o resultado de sua luta. Ela foi muito batalhadora para que eu conseguisse estudar. Então, para ela, aquilo era uma era uma sensação. Naquele domingo, em que o Flamengo ganhou a Copa União, a minha mãe ganhou a ‘Copa da Ajuda’ para que o filho dela construísse e realizasse os sonhos, porque ela deve ter pensado: caramba, se ele conseguiu isso, cumpri minha missão!”, fala, emocionado, o radialista.


Logo da Rádio ONCB. (Imagem: divulgação)

Atualmente, Marcus Aurélio de Carvalho é diretor de comunicação da Organização Nacional dos Cegos do Brasil (ONCB) e apresentador de alguns programas na rádio mantida pela instituição A emissora tem como foco uma programação voltada para pessoas cegas e com baixa visão. Por isso, o veículo busca fazer uma série de ações inclusivas e de cidadania para o seu público-alvo. Um bom exemplo disso: shows com audiodescrição de artistas como Marília Mendonça, Bruno & Marrone, Maiara & Maraísa e Paralamas do Sucesso.

A emissora da ONCB também se engajou na prestação de serviços, em tempos de Covid-19, produzindo uma série de conteúdos sobre como os seus ouvintes poderiam se manter seguros contra o vírus. Sobre esse trabalho, o radialista explica como é o dia a dia. “Falamos para um segmento. Somos uma organização social sem fins lucrativos, mas queremos sempre ser percebidos como melhor e mais qualificado conteúdo de rádio para as pessoas cegas e de baixa visão no país”.

Sobre o impacto das tecnologias e o futuro do rádio, Marcus relembra que as ferramentas digitais vieram para ficar e expandiram as possibilidades de uso do áudio. E cita como exemplo a Rádio ONCB, onde utilizam site, YouTube, Instagram e transmissões de áudio e vídeo ao vivo para envolverem os internautas em sua programação. E lembra que esse tipo de trabalho inclusivo deveria ser feito por todos os veículos de comunicação, pois há uma legislação que determina esse processo.

Sobre o futuro do meio radiofônico, Marcus aposta na convergência e na expansão do consumo de áudio em diferentes formatos, como o podcast.

Podcast é uma forma de comunicação que tem como fio condutor principal o áudio. Esse produto aqui é áudio. Nós não dependemos da imagem para fazer esse produto (o podcast ‘RadioFrequencia‘). Ele é uma conversa, um talk show!”, pontua o jornalista com experiência em gestão do rádio.

“Um bate-papo é um podcast. O podcast é o quê? Rádio! É todo meio de comunicação que se comunica por meio do som, que conecta por meio do áudio. Essa convergência de mídia vai continuar. Vai até aumentar… Então, o rádio vai morrer? E por que eu aposto que não? Porque os podcasts estão nos mostrando que não…”

Marcus Aurélio de Carvalho finaliza dizendo ser um homem de amores correspondidos. Entre eles, o rádio.

---

Essa entrevista pode ser ouvida na íntegra no podcast do Radiofrequencia: https://anchor.fm/radiofrequencia/episodes/Como-fica-a-gesto-do-rdio-com-tanta-tecnologia-e1gg7kb

“RadioFrequencia é um blog que teve início como uma coluna semanal na newsletter Jornalistas&Cia para tratar sobre temas da rádio e mídia sonora. Recebi o convite dos jornalistas Eduardo Ribeiro e Hamilton Almeida para escrever sobre os 100 anos do no Brasil, comemorados em 2022. Os textos são da autoria do jornalista Alvaro Bufarah e as entrevistas podem ser ouvindas em formato de podcast no link: https:/ /anchor.fm/radiofrequencia

Em abril de 2022, a RadioFrequencia tornou-se parceira do Portal Comunique-se e também ser acompanhada diretamente por lá:

http://portal.comunique-se.com.br/

Confira esta publicação no projeto Radiofrequência: https://medium.com/@radiofrequencia/como-fica-a-gest%C3%A3o-do-r%C3%A1dio-com-tanta-tecnologia-9dfa91ebab5b

Tags: rádio, Marcus Aurélio de Carvalho, tecnologia, trajetória

Compartilhe!

Colunista
Alvaro Bufarah

Profissional com ampla atuação no mercado de comunicação atuando em redações de emissoras de rádio (CBN, Capital AM, Sulamérica Transito, EBC/Radiobras) agências de notícias (Agência Brasil, DPA, Voz da América e DW) e TV WEB (ALL TV). Também atuou como gestor de equipes e dirigente de agências de comunicação empresarial (Comnexos e RV&A). Possui graduação em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu (1994), especialização em Política Internacional pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo (1995), mestrado em Comunicação e Mercado pela Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero (2002), especialização em Administração de Empresas pela FAAP (2014), doutorado no Programa de Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie, instituição na qual leciona nos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda. Fez Pós-doutorado do programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (2020) Também é professor na Fundação Armando Álvares Penteado, nos cursos de Rádio e TV e Jornalismo, bem como foi coordenador do curso de Pós-graduação de Produção Executiva e Gestão de TV e atualmente é coordenador do curso de extensão Produção Executiva e Gestão de TV Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Rádio e Televisão, Jornalismo Novas Tecnologias, Comunicação Corporativa e Planejamento Estratégico em Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: comunicação, rádio, jornalismo, internet, comunicação corporativa e planejamento comunicacional. É integrante do Grupo de Investigação em Rádio, Fonografia e Áudio (Girafa) do programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina. É o idealizador do projeto 'RadioFrequencia' (https://medium.com/@radiofrequencia)










tudoradio.com © 2004 - 2022 | Todos os direitos reservados
Mais tudoradio.com:
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.