Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Ao buscar por uma rádio, que tipo de conteúdo você procura?

Enquete

Sexta-Feira, 23 de Setembro de 2022 @

Centenário e milionário, o rádio brasileiro precisa ser reverenciado

Relevância do rádio segue em alta, fruto de décadas de adaptação aos novos hábitos de consumo e mudanças tecnológicas

Publicidade
Se tem algo que é verdade, é que não se compara pesquisas e medições feitas por fontes diferentes. São metodologias distintas, com números que podem dizer coisas diferentes. Porém, é possível traçar alguns paralelos. Dito isso, acho sempre interessante ver números de alcance do rádio, seja aqui no Brasil e também lá fora, em mercados considerados "mais maduros" (onde a infraestrutura de internet tende a ser mais ampla). Assim como redes sociais, portais de internet, vídeos no YouTube, o rádio tem números milionários quando o assunto é consumo do veículo. Falo de dial, e não da soma total de todos os números obtidos nas diferentes plataformas (on e off), que também pode gerar uma discussão se é correto somar números de locais diferentes (estaríamos contando a mesma pessoa mais de uma vez)? Então vamos ficar somente no dial nesta reflexão, o que já é muito.

Pois bem, voltando ao alcance. O potencial de uma emissora de rádio é algo que impressiona. Vamos pensar no exemplo de São Paulo: hoje são 19 FMs cujo alcance é superior a marca de 1 milhão de pessoas diferentes em cada frequência. Ok, São Paulo é grande, mas pense bem nesse número: 1 milhão. É muita gente que tem uma determinada estação como um hábito, um consumo recorrente. Lembrando que, apesar de São Paulo ser imensa, o número de estações no ar também é muito grande, ou seja, uma estação concorre com outras muitas e também com mídias distintas.

Detalhe que eu fiquei concentrado na marca de 1 milhão. Motivo? Mesmo segmentado, o rádio consegue essa marca incrível em 19 estações. E quanto mais formatado, mais gente é abraçada pelo meio, ampliando o alcance geral do veículo. Neste caso, Belo Horizonte é outro exemplo interessante: tem cinco estações em FM que também superam esse número incrível de 1 milhão de pessoas diferentes alcançadas em 30 dias e, no total, o rádio atinge 90% da população da capital mineira e sua região metropolitana. 

Impressiona ver que emissoras no Rio e em São Paulo superem as marcas de 3 e 2 milhões em alcance (são oito FMs acima de 2 milhões no mercado da capital paulista). Impressiona também ver também números milionários em mercados grandes como Nova York, Los Angeles, Londres, Paris, entre outros. E impressiona também os valores na casa de 400, 500, 600 e até 700 mil por estação em praças como Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Salvador e por aí vai (inclusive lá fora). De novo: estamos falando de dial. E, quase como regra, esses números se aproximam do total da população coberta pelas emissoras, independente do tamanho da cidade e da região (retrato este que vale para o grande e para o pequeno centro).

E esses valores acompanharam a evolução da população. Qualquer planejador pode atestar o que eu estou argumentando ao olhar números lá de trás. Considerando o período de 1 década, os valores em alcance do rádio hoje são maiores na maioria das praças analisadas. São Paulo tinha, em 2013, cerca de 11 FMs acima de 1 milhão (hoje 19) e geralmente 3 acima de 2 milhões em alcance (hoje são 8 e já atingiu a marca de 9, além de ter chances desse grupo ser ampliado nas próximas medições).

Não sou daqueles que acham que o alcance deve ser o único número a ser propagado pelas emissoras de rádio, pois o índice de audiência é importante. Mas para se promover perante o mercado e também para os ouvintes, números como o de alcance devem ser a vitrine, pois ele não precisa de muita explicação para que qualquer pessoa entenda o que significa. É o número de pessoas que passaram de alguma forma por uma determinada estação em 30 dias. Já ouvintes por minuto, que é uma média, requer mais explicações. Deve ser usada, mas na sequência de uma argumentação.

O rádio tem números impressionantes. E é fundamental usá-los. Inclusive os digitais. Mas é importante também entender o que cada um significa e em que tipo de argumentação eles são necessários. 

De qualquer forma, o rádio brasileiro chega ao seu centenário com uma trajetória que nos enche de orgulho, com muitas evoluções em sua linguagem e tecnológica. Chega aos 100 anos totalmente integrado com o digital, mas também conservando (e ampliando) números incríveis no dial. É uma mídia que precisa ser reverenciada

Referências:  
> Rádio é consumido por 83% da população no Brasil; 58% ouvem em maior ou na mesma quantidade, diz Inside Radio 2022 
Curiosidade: 41 FMs dos EUA contam com um alcance que supera a marca de 1 milhão de pessoas 
Panorama: São Paulo volta a registrar a marca de 19 FMs acima de 1 milhão de ouvintes únicos alcançados 

Tags: rádio, números, centenário, tecnologia, adaptação, evolução, Brasil, alcance

Compartilhe!

Colunista
Daniel Starck

Daniel Starck é jornalista, empresário e proprietário do tudoradio.com. Com 20 anos no ar, trata-se do maior portal brasileiro dedicado à radiodifusão. Formado em Comunicação Social pela PUC-PR. Teve passagens por rádios como CBN, Rádio Clube e Rádio Paraná. Atua como consultor e palestrante nas áreas artística e digital de rádio, tendo participado de eventos promovidos por associações de referência para o setor, como AESP, ACAERT, AERP e AMIRT. Também possui conhecimento na área de tecnologia, com ênfase em aplicativos, mídia programática, novos devices, sites e streaming.










tudoradio.com © 2004 - 2022 | Todos os direitos reservados
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.