Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Terça-Feira, 07 de Maio de 2019 @ 00:00

Antonio Carlos (Kazinho)

Teste
O tudoradio.com publica mais uma entrevista com um importante nome do rádio brasileiro: Antonio Carlos, mais conhecido como Kazinho, proprietário e diretor da FM Super do Espírito Santo.

Kazinho é responsável por uma das principais bandeiras de rádio da atualidade e, recentemente, tem realizado um investimento considerável numa nova estrutura física para a FM Super na Grande Vitória (ES).

Neste bate-papo com o tudoradio.com, o gestor conta um pouco sobre a trajetória da FM Super, sua experiência profissional e o que observa sobre o meio rádio (e seu futuro).

Boa leitura!

E como a FM Super surgiu? Sempre foi um projeto de rádio voltado à música sertaneja? Inédito no Espírito Santo?

A FM Super surgiu do "sonho" de meu pai, o radialista e jornalista Edson Araújo. Aderi à ideia e busquei viabilizar o projeto. Em 1997, entramos em licitações do Governo Federal para emissoras de rádios e vencemos alguns lotes. Éramos radialistas assalariados, não tínhamos dinheiro. Vendemos casa, carro, raspamos a caderneta de poupança e fomos à luta. A FM Super foi inaugurada em 9 de outubro de 2000, na cidade de Domingos Martins - ES. O objetivo era fazer uma rádio 100% sertaneja, mas, o projeto precisava amadurecer. A FM Super era o melhor sinal na região serrana do estado e queríamos atingir vários públicos. Na época, não dava para deixar de tocar Sandy e Júnior, Kelly Key, KLB e outros artistas de outros segmentos. A galera pedia muito e não dava para não tocar. Por isso, iniciamos a programação com 85% de sertanejo. Quando chegamos a Grande Vitória, em 2008, a Super passou a ser 100% sertaneja. Um projeto inédito no Espírito Santo. 

E quanto tempo o projeto levou para se tornar competitivo em Vitória?

A partir de 2008, passamos a ter um sinal melhor na Grande Vitória. Fomos conquistando espaços. Com o passar do tempo, conforme a nossa área de cobertura aumentava, a audiência crescia. Paralelo a tudo isso, o sertanejo ia se consolidando. 

Além de programação, o que mais a FM Super teve de diferencial para se tornar competitiva?

Primeiramente, temos uma equipe muito boa. Gostamos de fazer rádio, temos o maior tesão por isso. Outro fato, audiência e o mercado perceberam que a FM Super sempre inovou. Investimos em tecnologia e em material humano. Somos inquietos e entusiastas. Tem muita emoção e verdade no que fazemos. Costumo dizer que, ter um bom coração é o principal pré-requisito para trabalhar com a gente. Tem que ser do bem.

A FM Super opera com dois canais na Grande Vitória (94.1 FM e 94.5 FM). É o único caso de um projeto com dois canais diferentes a chegar à liderança? Como funciona essa atuação conjunta?

Não conheço nenhum caso semelhante. Fizemos isso para ganhar musculatura no mercado, ampliar a cobertura. São emissoras distintas repetindo o mesmo sinal.

Vocês alcançaram a liderança pela primeira vez em 2017, correto? E o que isso resultou para a FM Super desde então?

Correto. Resultou em uma grande satisfação, uma tremenda alegria pela conquista do "campeonato". Mas, não dá para viver só de título. Tem que arregaçar as mangas e trabalhar. Não posso dizer que ficamos mais ricos, pois, houve uma evolução nos custos operacionais com a ascensão da rádio e investimentos para manter a competitividade da FM Super. 

Nas últimas semanas você disse em suas redes sociais que a FM Super está realizando um investimento considerável numa nova sede. Pode nos contar um pouco mais sobre? Será em um shopping?

Exato. Estamos finalizando a nossa nova sede, uma Central de Geração de Programas. Moderna, arrojada e interativa. Ela vai ocupar uma bela área no Shopping Vila Velha, o maior do Espírito Santo e, depois da expansão, o terceiro do Brasil em área locável. Vamos integrar a rádio ao conjunto de entretenimento do shopping: cinemas, bares, restaurantes e espaços de convivência. Os nossos ouvintes vão ter à disposição segurança, estacionamento gratuito e diversão em um só lugar. 

Kazinho, você tem participado de congressos na área de comunicação pelo Brasil e fora. Como você ter enxergado o atual momento do rádio? E quais suas perspectivas futuras?

Em todos os eventos ouço que o rádio não vai acabar. Também acredito que não, mas, precisamos estar mais capacitados, organizados e fortes para lidar com a pulverização das atenções do público. Por isso, é fundamental ter tecnologia. As melhores cabeças estão pensando em fazer algo para o rádio ou o foco é a internet? Precisamos  pensar conjuntamente o meio e atuar na melhoria geral do negócio. Acredito que quanto mais emissoras estruturadas, Grandes rádios, melhor para todos. Percebo também uma campanha para desqualificar e tirar a importância do rádio. Uma espécie de torcida contra provocada por "meia dúzia de três ou quatro". Por isso, é fundamental fazer o dever de casa e atuar na marca Rádio. Afinal, rádio faz bem. 

Kazinho. Muito obrigado pela atenção com os leitores do tudoradio.com. 

Parabenizo a você e a equipe tudoradio.com pela oportunidade. Fico feliz em poder expressar o nosso trabalho através de um veículo tão importante no Brasil. Finalizo dizendo que somos gratos pelas conquistas e pelas bençãos de Deus. Estamos no Espírito Santo.

Tags: Kazinho, FM Super, audiência, sede, investimento, rádio, tendências

Compartilhe!

Teste
Daniel Starck

Daniel Starck é empresario, jornalista e proprietário do tudoradio.com (veiculo que atua há mais de 17 anos voltado aos interesses do rádio brasileiro e de seus ouvintes). Formado em Comunicação Social / Jornalismo pela PUCPR, Daniel também já teve passagens por rádios como CBN, Rádio Clube e Rádio Paraná. Também atua como consultor nas áreas artística e digital.



Mais tudoradio.com

tudoradio.com © 2001 - 2019 | Todos os direitos reservados
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.