Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Seja pelo celular, rádio do carro ou receptor tradicional… você já tem algum receptor de rádio com FM estendido (a partir de 76.1 FM)?

Enquete

Terça-Feira, 14 de Abril de 2020 @ 00:00

Charles Gilbert Kinas

Teste
Em abril o tudoradio.com bateu um papo sobre tecnologia e rádio com Charles Gilbert Kinas, responsável pela empresa BeAudio, que desenvolve uma série de soluções para o mercado de rádio.

No bate-papo, Charles explica a importância do mercado de rádio entender melhor o consumo digital de seus ouvintes, seja nas plataformas de streaming, como também na participação de promoções e ações através de canais on-line. 

O profissional explica sobre a plataforma Audients, que pretende fazer uma integração completa entre a interação do ouvinte com a rádio, passando também por todos os departamentos da emissora. Isso auxiliará a rádio a traçar estratégias mais acertivas, seja nas áreas artística e comercial.

Acompanhe!

 

Charles, obrigado por atender o tudoradio.com. Vamos lá… o mercado de rádio ainda conta com poucas informações sobre o seu consumo digital e também do comportamento da audiência nesses ambientes. Vocês identificaram uma oportunidade do rádio ficar mais competitivo ao focar nessa necessidade?

Sim, Daniel. Acompanhamos as interações entre público e rádio desde o início de nossas atividades. Esse acompanhamento trouxe-nos muitas ideias do caminho a ser trilhado. Observando as ferramentas existentes no mercado, não tivemos dúvidas de que precisávamos trabalhar para renovar o Caddo – programa de Cadastro de Ouvintes e Promoções - que temos e adicionar uma grande inovação a isso tudo.

Foi daí que nasceu o Audients? Qual a diferença dele para outros sistemas que geram estatísticas?

Precisamente, a ideia fundamental do Audients é gerar estatísticas sobre os ouvintes e, dessa forma, valorizar a emissora e ajudar a coordenação artística na tomada de decisões. O conceito que mais se assemelha ao que queremos atingir é data-driven marketing (marketing direcionado a dados). Ou seja: adquirir dados do consumidor para entregar o que ele espera e, por conseguinte, maximizar a aceitação da emissora no nicho de audiência que ela quer atingir. Um exemplo icônico disso foi a série Stranger Things, da Netflix. A plataforma usou padrões de consumo de milhares de assinantes para criar um seriado que fosse certeiro para um determinado público e acertou precisamente. É por aí que queremos trabalhar. Entretanto, queremos melhorar isso para não apenas ajudar na entrega, mas também aumentar as formas de interação e gerar mais informação relevante, induzindo pelo FM o ouvinte para consumo do digital e pelo digital induzir o consumo do FM; esse ciclo é fundamental para as rádios modernas. Logo chegaremos num ponto onde não haverá mais essa dissociação - e estaremos prontos para isso -, mas até lá queremos entregar uma ferramenta certeira para a situação atual.

Há uma integração do sistema com vários setores da rádio, alimentando estratégias para todos os departamentos, certo?

Sim, o projeto se estenderá do artístico ao comercial. Uma rádio tem duas frentes de consumo, concorda? O consumo gratuito do conteúdo, por parte do ouvinte, e o consumo pago, em que o anunciante paga pela existência do ouvinte e pela relevância da audiência. Cada um desses consumidores de rádio tem seus próprios interesses, mas a rádio é apenas uma. Temos, então, que fazer o ouvinte tornar-se fiel e mais interessado na rádio; e ao anunciante precisamos dar informações sobre o perfil de condições de consumo da emissora para que seja justificado o investimento na publicidade.

É possível integrar o Audients a todas as plataformas onde a rádio está presente e aquelas que são utilizadas pela equipe da emissora e/ou ouvintes?

A integração do Audients será massiva. A plataforma será integrável com site, aplicativo, mídias sociais e outras ferramentas que temos analisado. O ouvinte até poderá fazer questão de não interagir com a rádio, mas sempre que o fizer teremos condições de saber como foi essa interação.

Vocês já possuem algum resultado positivo desse sistema? Alguma rádio já está rodando o Audients?

Sim, nestes últimos três meses já passamos de 20 mil ouvintes únicos cadastrados e temos trabalhado com algumas formas de interações diferenciadas, especialmente com a Rede Massa FM e com algumas rádios de Jaraguá do Sul.

E quais são as tendências para o setor que você analisa serem mais importantes para as emissoras de rádio em 2020?

Não chamaria de tendência, mas profissionalização é um dos pontos mais importantes que as rádios ainda têm a necessidade de desenvolver em 2020. Vejo muitas rádios com equipamentos de primeira, boa equipe, mas processos internos e controladoria que ainda precisam ser aprimorados. Outro ponto de grande importância é a convergência do digital com FM. A situação do corona vírus atrapalhará bastante financeiramente, mas esta crise certamente ajudará ao público – anunciante e ouvinte – a notar relevância que a rádio possui ao noticiar com responsabilidade e estar perto do público em todos os momentos.
 

Tags: entrevista, rádio, tecnologia, digital, streaming, promoção, redes, emissoras

Compartilhe!

Teste
Daniel Starck

Daniel Starck é jornalista, empresário e proprietário do tudoradio.com (veiculo que atua há mais de 19 anos voltado aos interesses do rádio brasileiro e de seus ouvintes). Formado em Comunicação Social / Jornalismo pela PUCPR, Daniel também já teve passagens por rádios como CBN, Rádio Clube e Rádio Paraná. Também atua como palestrante e consultor nas áreas artística e digital.










tudoradio.com © 2004 - 2021 | Todos os direitos reservados
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.