Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Como você, ouvinte de rádio via streaming, classifica esse serviço oferecido pela sua emissora preferida?

Enquete

Sábado, 23 de Fevereiro de 2019 @ 10:12

Radiodifusores apresentam demandas e desafios do setor ao MCTIC

Brasília - Fórum debateu o atual panorama do rádio e da TV no Brasil, os principais desafios e as soluções para a desregulamentação e desburocratização do setor

Publicidade

Brasília sediou, nesta quinta-feira (21), o 1º Fórum Nacional de Radiodifusão, que reuniu profissionais de rádio e TV de todo o país, além de presidentes de associações estaduais de radiodifusão, engenheiros de telecomunicações e representantes do governo. Promovido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o fórum debateu o atual panorama do rádio e da TV no Brasil, os principais desafios e as soluções para a desregulamentação e desburocratização do setor.

Na abertura do encontro, o ministro Marcos Pontes ressaltou a importância do rádio e da TV como instrumentos essenciais que levam cultura, educação e entretenimento gratuitos para toda a população brasileira. “Queremos ouvir vocês, radiodifusores, que estão na ponta e trabalham para que a informação de qualidade chegue a todos os brasileiros. Queremos entender as demandas para que encontremos as melhores soluções para o país,” disse Pontes.

O presidente da ABERT Paulo Tonet Camargo participou do painel que discutiu o presente e o futuro da radiodifusão comercial no Brasil. Tonet lembrou as conquistas recentes do setor, como a flexibilização do horário da Voz do Brasil, o término da propaganda partidária e a atualização da regulamentação da profissão de radialista e defendeu a conclusão da migração do rádio AM/FM e da implementação da TV digital em todo o Brasil.

Entre os desafios para o setor, Tonet destacou o desbloqueio do chip FM nos celulares produzidos no Brasil. “Seguimos na luta para celebração de um convênio com a indústria que permita que os aparelhos de telefonia móvel produzidos no país cheguem ao consumidor com o chip FM embutido e, principalmente, ativado”, disse.

De acordo com dados da ABERT, atualmente, cerca de 60% dos celulares têm o FM ativado. “Precisamos chegar à totalidade. Hoje, parte significativa da audiência do rádio está nestes receptores, levando informação e entretenimento à população brasileira”, afirmou Tonet.

Ao finalizar o discurso, Paulo Tonet Camargo ressaltou que a ABERT continuará na luta para evitar que as rádios comunitárias sejam transformadas em rádios comerciais. “Este tema é uma questão de honra para as rádios comerciais do Brasil, que passaram por um processo licitatório e pagaram ao Estado pelo espectro usado, que empregam e investem, e, com independência, levam informação e entretenimento a cada recanto do país”, disse ele.

No período da tarde, o jornalista Alexandre Garcia debateu os impactos das notícias falsas para a sociedade e defendeu o jornalismo profissional no combate às fake news. “Mudar o fato é falsidade ideológica. Nós não somos mais importantes que o fato. Nós somos submetidos ao fato, escravos do fato. É preciso manter uma distância sanitária do poder, não se envolver e, assim, praticar o bom jornalismo”, destacou o jornalista.

O diretor geral da ABERT, Cristiano Lobato Flores, também participou do evento e falou sobre as propostas de desregulamentação do setor. O painel teve a presença do diretor de Engenharia e Tecnologia da rádio e TV Bandeirantes, José Chaves, e do engenheiro da Abratel, Wender Almeida de Souza.

Segundo Flores, novas plataformas de comunicação surgiram com o desenvolvimento tecnológico e faturam com publicidade, mas não são regulados como o rádio e a TV. “Nosso setor é o mais regulado. No passado, o excesso de regulação até poderia se justificar, pois existiam menos tipos de veículos de comunicação. Mas hoje temos novos players que não se apresentam como veículos de comunicação e acabam não sendo regulados, o que resulta em uma assimetria regulatória. Em um mercado novo, com novos concorrentes, entendemos que é necessário discutir uma desregulamentação do setor”, afirmou ele.

Flores apresentou, ainda, alternativas para melhorar a situação atual do setor. “Para solucionar, devemos focar na análise do problema, nas opções regulatórias e ouvir os interessados. O mercado de rádio é diferente do de TV e, ainda assim, são regulados da mesma forma”, concluiu Flores.

O 1º Fórum Nacional de Radiodifusão também contou com a presença do presidente da Seja Digital, Antônio Martelleto, do secretário do Gired, (grupo responsável pela digitalização da TV no Brasil) Martim Jales Hom e do diretor geral da Associação Internacional de Radiodifusão (AIR), Juan Andrés Lerena.

Com informações da ABERT

Tags: Rádio, radiodifusão, MCTIC, congresso, Brasília

Compartilhe!

Teste
Carlos Massaro

Carlos Massaro atua como radialista e jornalista e é formado em Direito. Já coordenou artisticamente uma afiliada da Band FM (interior de São Paulo) e trabalhou como locutor em outra retransmissora da Band FM e na Interativa de Avaré. Atua pelo tudoradio.com desde 2009, responsável pela atualização diária da redação do portal.



...


Mais tudoradio.com



tudoradio.com © 2001 - 2020 | Todos os direitos reservados
Marcas que pertencem ao tudoradio.com:
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.