Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Seja pelo celular, rádio do carro ou receptor tradicional… você já tem algum receptor de rádio com FM estendido (a partir de 76.1 FM)?

Enquete

Quarta-Feira, 17 de Novembro de 2021 @

Fácil para o ouvinte, o rádio tem um bom caminho pela frente

Se o tradicional FM andar ao lado do on-line, teremos a união de dois mundos poderosos do rádio

Publicidade
Técnicos, radiodifusores e radialistas sabem o quanto a tecnologia de transmissão em FM evoluiu nas últimas décadas, com novos processadores de áudio, antenas, transmissores, etc. Mas neste texto quero dar uma atenção especial para a outra ponta: a do ouvinte. O FM é uma tecnologia antiga (sim, qualquer coisa hoje que tenha mais de duas décadas pode ser considerada antiga), mas muito eficiente e que foi modernizada por todo o ecossistema existente ao seu redor. Os receptores estão cada vez mais incríveis, cheios de funções, principalmente o automotivo. E a facilidade (e gratuidade) do FM tem mantido alta a relevância dessa forma de entrega de conteúdo. Isso é um fato.

Porém, este texto aqui não é para defender o FM (ou rádio terrestre) em detrimento do digital (streaming de áudio, por exemplo). Acredito que é válido defender os pontos fortes da tecnologia vigente, mas também embarcar nas novidades que podem aperfeiçoar a nossa "prática de rádio". No ambiente digital, os produtores de conteúdo e anunciantes estão animados com as possibilidades do áudio, algo que não é uma surpresa para quem é de rádio. O áudio é poderoso. Mas o que há no digital que fascina a ponto de ser apontada como algo que vai substituir o que já está estabelecido?

Claro que em vários casos ocorrem substituições, mas em muitos outros a regra é da coexistência, da adaptação ou, melhor, do complemento. E esse tem sido o caminho do rádio terrestre. Ele evoluiu, auxiliado pela maior oferta de receptores automotivos modernos, de caixas de som com FM embarcado, com o smartphone que recepciona o rádio de uma maneira simples em aplicações bonitas e com ferramentas interessantes. As pessoas desejam pelo rádio de graça, disponível de maneira fácil, como dá para perceber na pesquisa da Edison Research sobre a presença da recepção de rádio terrestre em automóveis (veja aqui).

Essa evolução passa também pelo trabalho conjunto no digital, na tão discutida atuação multiplataforma. Mas podemos ir além disso: podemos ter os dois mundos (on e off) unidos através de plataformas híbridas de áudio. Há um movimento de montadoras que desejam unir esses mundos na Europa e nos Estados Unidos, com resultados interessantes. Você tem a facilidade do rádio terrestre, recebendo dados digitais (onde é possível entregar mais funções e informações aos ouvintes) e alternando ao streaming quando não temos mais a recepção FM (sinal ausente, fora da área de cobertura da estação selecionada). E, além disso, temos a possibilidade de gerar dados para o mercado.

O rádio está em evolução e tudo acontece de uma maneira natural. Esse modelo híbrido não ocorre apenas nos equipamentos eletrônicos. Ele já está na rotina diária das equipes das emissoras e também no costume da audiência. No planejamento comercial das estações, nas entregas. É natural, mas ainda também estamos aprendendo as melhores práticas desse modelo híbrido. E novamente sobre os dispositivos, a tecnologia tende a nos encontrar ali na esquina. 

Mas para que isso aconteça, é preciso estar atento a sempre destacar (com dados) os atributos fortes do rádio terrestre e como ele pode ser ainda mais poderoso aliado ao digital. Modismos e achismos não podem também impor um ponto final para algo que funciona e é desejado pela população (se duvida dessa relevância, clique aqui).

E eu tenho insistido nisso. Acredito que a atuação híbrida já é a realidade do rádio. Por fim, como complemento, recomendo os dois textos abaixo.

+ Digital como estratégia para romper as limitações do dial

+ O rádio caminha para se consolidar como um meio híbrido

+ A briga do rádio é pelo tempo das pessoas

Tags: rádio, digital, híbrido, tendência, relevância, FM, audiência, carros

Compartilhe!

Colunista
Daniel Starck

Daniel Starck é jornalista, empresário e proprietário do tudoradio.com (veiculo que atua há mais de 19 anos voltado aos interesses do rádio brasileiro e de seus ouvintes). Formado em Comunicação Social / Jornalismo pela PUCPR, Daniel também já teve passagens por rádios como CBN, Rádio Clube e Rádio Paraná. Também atua como palestrante e consultor nas áreas artística e digital.










tudoradio.com © 2004 - 2021 | Todos os direitos reservados
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.