Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Na sua opinião, qual formato de rádio deverá passar por uma maior expansão no número de rádios no mercado brasileiro em 2020?

Enquete

Quinta-Feira, 06 de Junho de 2019 @ 07:31

Comitê da Anatel faz reunião para apresentar estudo sobre canalização do FM para processo de migração AM-FM

Brasília – Resultado dos estudos deve ser divulgado pela agência nos próximos dias

Publicidade

O Comitê de Uso do Espectro e de Órbita da Anatel (CEO) realiza sua 48ª Reunião Ordinária. A pauta traz temas importantes para o setor de telecomunicações e da radiodifusão, como o andamento dos testes de convivência em 3,5 GHz e novos limites de potência para o Wi-Fi em 5 GHz e a apresentação do resultado de um estudo técnico sobre a revisão das regras de canalização e dos critérios de viabilidade utilizados na administração do plano básico das emissoras de Frequência Modulada (FM).

Segundo as regras que estão em vigência e estabelecidas na Resolução 67/1998, poderão ser revistas no projeto de reavaliação da regulamentação técnica de radiodifusão, atualmente em análise pelo Conselho Diretor. O trabalho teve por principal motivação a política setorial de migração das emissoras que exploram o Serviço de Radiodifusão Sonora em Onda Média (OM) para o serviço em FM, estabelecida pelo Decreto 8.139/2013.

Frente a cerca de 1.800 manifestações formais de interesse na adaptação, a Anatel realizou, até o momento, a inclusão de 1.203 novos canais no Plano Básico de Distribuição de Canais em FM, segundo informações da própria agência. Muitos dos pedidos, no entanto, não puderam ser atendidos – conforme dados consolidados até o primeiro trimestre de 2019, restaram sobrestados 413 processos de análise de viabilidade de migração, em razão da impossibilidade da inclusão desses canais na faixa convencional de FM, de 88 a 108 MHz.

Veja também:
> Anatel divulga mais quatro canais para migração AM-FM
> Levantamento: Migração AM-FM segue evoluindo no FM convencional e atinge capitais no final de fevereiro

Para esses casos, poderá ser utilizada a faixa estendida de FM (eFM), decorrente do refarming (remanejamento dos usuários de uma faixa) do espectro utilizado pelos canais 5 e 6 da televisão analógica (76 a 88 MHz). Com o término do cronograma de desligamento da transmissão analógica de televisão, a nova faixa já se encontra quase que totalmente desocupada e poderá ser utilizada pela radiodifusão sonora. 

A Anatel ressaltou que, embora essa seja uma porção do espectro limpa e de excelentes condições de propagação, levará algum tempo para que as emissoras de rádio nela se estabeleçam e para que os ouvintes façam as adaptações necessárias para sintonizar a nova faixa. Por outro lado, a imediata reavaliação das regras de viabilidade e das relações de proteção exigidas entre os canais em FM pode representar uma importante medida para aumentar o número de canais viáveis, tanto na faixa convencional quanto na estendida. 

Segundo adjacente

O estudo considera a proteção quanto à interferência entre canais segundo adjacentes (com portadoras deslocadas de ±400 kHz) e à interferência de batimento de Frequência Intermediária (FI) entre canais com portadoras deslocadas de ±10600 ou 10800 kHz.Cenário de expansão. Por meio do Memorando Circular 1/2019/CEO, o Comitê solicitou às áreas técnicas que considerem diversos cenários de convivência entre as emissoras, utilizando tanto a faixa convencional quanto sua combinação com a estendida.

Resultados preliminares indicam que com a regulamentação vigente seria tecnicamente viável a operação de até 33 emissoras por localidade, em condições ideais e com espectro desocupado. Na hipótese de remoção da proteção ao segundo adjacente e permissão de sobreposição do contorno de batimento de FI, passa a ser possível a coexistência de até 50 emissoras operando em condições livres de interferências prejudiciais. Caso seja também considerada a extensão da faixa de FM, nesses mesmos contornos experimentais, seria possível até 79 emissoras de FM por localidade.

De acordo com o presidente da Anatel, Leonardo de Morais, que também preside o CEO, a reavaliação desses critérios técnicos pode representar uma importante alternativa para viabilizar a evolução técnica das emissoras AM. “Para muitas emissoras AM a migração é um passo essencial para a sua sobrevivência no mercado, enquanto que, para a população em geral, ela oferece mais opções de informação, cultura e lazer”, afirma Morais. Após a reunião do Comitê, serão divulgadas mais informações sobre o estudo técnico.

O levantamento completo da migração no Brasil (inclusive o número de migrantes por estado) pode ser acompanhado aqui. A atualização é diária.

Tags: Rádio, Anatel, migração, Brasília

Compartilhe!

Teste
Carlos Massaro

Carlos Massaro atua como radialista e jornalista e é formado em Direito. Já coordenou artisticamente uma afiliada da Band FM (interior de São Paulo) e trabalhou como locutor em outra retransmissora da Band FM e na Interativa de Avaré. Atua pelo tudoradio.com desde 2009, responsável pela atualização diária da redação do portal.



...


Mais tudoradio.com



tudoradio.com © 2001 - 2020 | Todos os direitos reservados
Marcas que pertencem ao tudoradio.com:
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.