Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Você confia na prestação de serviço e nas informações veiculadas pelo rádio sobre a pandemia da covid-19?

Enquete

Quarta-Feira, 25 de Agosto de 2021 @ 07:31

Tendências | Consumo de rádio via streaming cresce 11,3% no primeiro trimestre de 2021

São Paulo - Números são relacionados ao mercado dos EUA. Rádio via streaming atinge sua maior marca, mas consumo via recepção FM/AM segue vital para o rádio

Publicidade

A última atualização do levantamento Share of Ear da Edison Research coloca mais um capítulo no crescimento constante do consumo de conteúdo de rádio através do streaming. Colaborando com o que a Nielsen já havia constatado em maio, o levantamento da Edison apontou um crescimento de 11,3% do consumo de rádio via áudio digital no primeiro trimestre de 2021, elevando a fatia de share do streaming para um patamar inédito. O avanço é constante, mas o rádio via ondas terrestres (recepção FM/AM) segue hegemônico nos Estados Unidos. O cenário norte-americano é semelhante ao que é observado no Brasil. Acompanhe:

A fatia do total do consumo de rádio destinada ao streaming é agora de 12% nos Estados Unidos, patamar este que é inédito para esse formato de áudio digital. Esse share corresponde à audição através de computadores / desktops conectados à internet, smartphones, smart speakers (caixas de som com inteligência artificial), tablets, entre outros dispositivos on-line.

Porém, a pesquisa ainda revela a hegemonia do rádio via ondas terrestres, ou seja, a recepção AM/FM através de multimídias de automóveis, receptores residenciais, celulares com FM (fatia menor nos EUA do que em países da América Latina) e até rádio-relógio, dispositivo importante na rotina dos Estados Unidos. Em resumo: a transmissão via FM e AM segue vital para o rádio norte-americano, representando 88% do consumo.

Laura Ivey, diretora de pesquisa da Edison, ressalta que o rádio norte-americano pode ampliar ainda mais a sua influência ao dar atenção para instruir a população de como encontrar o seu conteúdo em plataformas digitais. "Para perceber o crescimento, o rádio tem que capitalizar sobre o seu conteúdo estar disponível além de apenas um receptor de rádio tradicional", afirma Ivey. 

+ E-Book de portal dos EUA destaca a importância do streaming para as rádios e dá dicas

"Sabemos que a pandemia transferiu os ouvintes dos Estados Unidos de seus carros, onde o rádio tradicional está facilmente disponível, para suas casas, onde o rádio deve ser acessado em diferentes dispositivos. O desafio é como convencer os ouvintes a seguir o conteúdo do rádio em diferentes dispositivos - rádio, não 'um rádio’.", destaca a diretora da Edison.

Esse esforço é seguido pela indústria do rádio em outros países, como no Brasil. Na semana passada, o tudoradio.com relatou sobre o avanço do digital no consumo de rádio entre a população brasileira, com base nos dados da Kantar IBOPE Media. Destaque para a "explosão de consumo dos meios pela internet", ou seja, o público passou a buscar pela distribuição on-line de conteúdos de rádio, jornal, revista e televisão. Para se ter uma ideia desse avanço, o rádio contava em 2016 e 2017 com cerca de 3% de seu consumo via internet. Esse percentual subiu para 4% nos anos seguintes, 6% em 2020 e disparou para 13% em 2021.

É consenso na indústria de rádio que o digital é uma forma de ampliar o alcance do meio, gerar novas modalidades de negócio e aferição de audiência. Ou seja, não é uma corrida para retirar a audiência que está na recepção offline. A orientação é no sentido de um "futuro híbrido do rádio", inclusive com apelos para boas práticas em todas as formas de entrega de conteúdo. No Brasil, esse movimento fica mais claro com a potencial ampliação do consumo de FM via celulares, agora com a habilitação do serviço em todos os aparelhos montados e produzidos no país.


Partilha entre on e offline no consumo de rádio nos Estados Unidos / Share of Ear - População EUA com 13 anos ou mais

Recomendamos:
> Credibilidade do rádio cresce 43% e meio é ouvido por 80% da população, diz Kantar IBOPE Media
> Curiosidade: RDS das emissoras podem ampliar o engajamento da audiência com a mensagem publicitária
> Com crescimento do streaming, anúncios programáticos em áudio devem avançar
> Estimativa aponta que rádio terrestre representa entre 85 e 90% do total do consumo do meio na Europa
> Rádio representa 76% de todo conteúdo de áudio com anúncios. Agências superestimam serviços de streaming
 

Tags: Rádio, FM/AM, streaming, consumo, EUA, tendências, áudio digital

Compartilhe!

Teste
Daniel Starck

Daniel Starck é jornalista, empresário e proprietário do tudoradio.com (veiculo que atua há mais de 19 anos voltado aos interesses do rádio brasileiro e de seus ouvintes). Formado em Comunicação Social / Jornalismo pela PUCPR, Daniel também já teve passagens por rádios como CBN, Rádio Clube e Rádio Paraná. Também atua como palestrante e consultor nas áreas artística e digital.



...









tudoradio.com © 2004 - 2021 | Todos os direitos reservados
Mais tudoradio.com:
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.