Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Na sua opinião, qual formato de rádio deverá passar por uma maior expansão no número de rádios no mercado brasileiro em 2020?

Enquete

Terça-Feira, 20 de Novembro de 2018 @

A nova economia aposta na "mídia tradicional" e nos dá dicas de como o rádio pode ser relevante

O avanço da publicidade em diferentes mídias tem ajudado o rádio a entender melhor o seu papel no mundo multiplataforma

Publicidade

É um exercício contínuo investir em pesquisas para conseguir determinar um caminho nos hábitos de consumo da população, com destaque para o recorte relacionado à mídia. Com o avanço das novas tecnologias, o papel das mídias consideradas "tradicionais" ou de massa entram na roda de discussão, geralmente colocadas na parede. Mas tem um lado bom: conforme o desafio cresce, mais se investe em conhecimento para buscar a manutenção ou aprimoramento do papel do rádio na sociedade.

Essa minha informação é baseada na série de pesquisas e artigos que foram divulgadas em 2018 sobre o papel do rádio. Paralelo à isso há outro ponto a se considerar: a chamada "nova economia", ou seja, empresas que nasceram no mundo tecnológico e estão mudando os hábitos de consumo, apostam na mídia "tradicional" para as suas campanhas, em especial o rádio.

Durante o período eleitoral, o tudoradio.com chegou a destacar a movimentação feita pelos nomes gigantes relacionados ao Facebook: WhatsApp e o Facebook MarketPlace. O primeiro, precisando colar na credibilidade do rádio, investiu numa campanha para combater a onda de "Fake News", com spots que orientavam a população sobre como evitar o compartilhamento de boatos ou notícias falsas.

Paralelo à isso, o Facebook MarketPlace apareceu no meio rádio para promover o seu serviço de compras, vendas e trocas, precisando do rádio para se fazer conhecido perante concorrentes ja consolidados. Google (através de vários de seus serviços), aplicativos de transporte (Uber, 99, entre outros), aplicativos/portais de viagens, entre outros, também tem usado o rádio.

Eles sabem o que fazem, assim como anunciantes de outros segmentos que estão no rádio: o veiculo é excelente para ampliar o alcance de uma marca ou mensagem, além de sua frequência. Ou seja, ele é necessário para se fazer conhecido e lembrado. E o rádio trabalha muito bem no formato crossmidia, ou seja, junto com outros formatos de campanha.

Isso tudo é baseado em vários estudos feitos aqui e lá fora. Um deles, chamado de "How Radio Works" (sim, já falamos dele em nossas páginas, mas vou insistir) dá um mapa do papel do rádio para anunciantes e, é claro, para a audiência. 

O caráter social (serviço) e de entretenimento do rádio já é amplamente difundido no mercado, assim como sua credibilidade. Mas dar atenção ao favor "comercial" do veículo o torna competitivo no mercado, auxiliando assim na sua manutenção e também na sua venda como um meio atualizado, inovador e dinâmico.

Esses bons indicativos e um maior conhecimento sobre a posição do rádio nessa nova sociedade auxilia na evolução do veículo. Se conhecer e saber de sua força é um bom início para buscar reinvenção e continuar relevante para a sociedade.

Tags: rádio, crossmidia, nova economia, tecnologia, audiência, publicidade

Compartilhe!

Colunista
Daniel Starck

Daniel Starck é empresario, jornalista e proprietário do tudoradio.com (veiculo que atua há mais de 17 anos voltado aos interesses do rádio brasileiro e de seus ouvintes). Formado em Comunicação Social / Jornalismo pela PUCPR, Daniel também já teve passagens por rádios como CBN, Rádio Clube e Rádio Paraná. Também atua como consultor nas áreas artística e digital.



Mais tudoradio.com



tudoradio.com © 2001 - 2020 | Todos os direitos reservados
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.