Rádios online / Emissoras ao vivo

Dials / Guia de Rádios

Procurar notícias de rádio

Canais.

Canais.

Canais.

Enquete

Seja pelo celular, rádio do carro ou receptor tradicional… você já tem algum receptor de rádio com FM estendido (a partir de 76.1 FM)?

Enquete

Quinta-Feira, 02 de Julho de 2020 @

Mais audiência e faturamento menor: rádio precisa se defender e covid-19 não dá margem para erros

Mídia experimenta crescimento significativo no consumo, mas alta não é revertida em faturamento. Avanço heterogêneo da doença dificulta planejamentos. Pesquisas e análises podem ajudar na defesa do rádio

Publicidade
Desde o início desta triste e preocupante pandemia do novo coronavírus o setor de rádio é impactado por dois panoramas que parecem ser antagônicos: é vivido um crescimento de audiência e relevância, aliado à uma crise financeira aguda. Os radiodifusores também já devem ter ouvido que o "rádio sairá ainda mais forte no pós-pandemia", mas como sobreviver até lá? 

A solução não é simples e talvez seja até inviável pensar em sair bem dessa situação, salvo exemplos muito pontuais. Porém alguns pontos parecem ficar claros para o setor. Vamos tentar listar alguns deles: 

Necessidade de uma defesa assertiva do meio

Sim, novamente a necessidade de se trabalhar com números. Todas as plataformas apresentam números e é o que o mercado mais deseja. Com os investimentos publicitários atrofiados, a disputa pelo dinheiro aumenta. E o rádio só conseguirá melhorar o seu desempenho se conseguir provar que continua forte e pode ajudar os anunciantes a diminuirem os impactos causados pela crise. Para isso, vale usar análises locais, regionais, nacionais e até internacionais. É preciso mostrar a força do veículo e o papel dele dentro da pandemia. 

Felizmente, por não ser uma coisa só, o rádio consegue cobrir os desejos mais diversos do público durante a covid-19. O meio está atendendo a audiência com informação/debate sobre a situação atual, está orientando a população através de sua prestação de serviço e tem sido fundamental como companhia nesse momento de angústia que passa a sociedade, promovendo entretenimento. Até a música, executada pelo rádio com a companhia de comunicadores, tem sido um dos pilares fortes do meio.

E quem diz isso? Segue abaixo alguns links sobre esse papel do meio rádio. Aqui e lá fora:

Consumo de rádio no Brasil avança no offline e no digital. Grande variação de conteúdo beneficia procura pelo meio 

Com meio em alta, Kantar Ibope Media detalha por região o comportamento da audiência de rádio durante a pandemia do coronavírus  

Levantamento do Kantar Ibope Media revela aumento do consumo de Rádio durante a pandemia 

Pesquisa aponta crescimento de até 40% no consumo de rádio nos Estados Unidos. Avanço é maior entre os mais jovens  

Ok. Mas é preciso deixar mais claro a importância do rádio para os anunciantes. Além dos pontos fortes como "baixo custo para se anunciar e também criar uma campanha" e "o alcance considerável do meio, aliado à uma grande credibilidade perante a população", precisamos atualizar o discurso para a realidade atual, da covid-19.

Então o comercio está aberto? Ou fechou de novo? Ou está fazendo entrega? Quem conta isso é o rádio, seja no break, seja no boletim informativo ou seja nas ações sociais, como os apoios aos serviços de entrega (delivery). Isso acontece aqui e lá fora, como conta a Nielsen (segue links a seguir):

Nielsen: Rádio é fonte de informação comercial e companhia para os ouvintes. Meio segue com audiência elevada durante a pandemia 

Coronavírus: Media Hiatus Impact da Nielsen mostra os impactos da diminuição ou corte na publicidade para as marcas 

Campanha na Alemanha mostra a importância do Rádio para o varejo durante a pandemia do novo coronavírus 

CEO da RAB, Erica Farber, destacou principais motivos para se anunciar no Rádio durante WEBNAB  

Não podemos errar nas estratégias

Olha, a pandemia impôs uma dura realidade ao rádio e à todos os setores da economia, mas é algo que sempre foi visto em crises agudas: não se pode errar. As vezes o "arroz e feijão" na programação pode ser melhor aceito do que uma novidade que cause uma mudança drástica. Claro que estamos falando para projetos que tem sua eficiência comprovada perante o público.

Pesquisas mostram que o hábito do ouvinte pouco mudou em relação ao conteúdo de suas estações favoritas. É claro que ele deseja mais informações sobre a covid-19 e o que está acontecendo em sua localidade. Mas o desejo pela programação que o ouvinte está habituado segue firme. 

A audiência é fiel ao que ela escolheu e as grandes oscilações são pontuais, pois a pandemia não ocorre de forma uniforme, alterando de alguma forma a rotina diária das pessoas. Temos variações no interesse do público sobre a dosagem do tipo de conteúdo que ele deseja, a economia está numa situação de abre-fecha constante, com comportamentos distintos por região, entre outros pontos que devem ser considerados.

Algumas pesquisas e análises mostram isso:

Coronavírus: Após queda, formatos musicais começam a recuperar a audiência perdida no início da pandemia  

Pesquisa aponta que ouvintes desejam das rádios um equilíbrio entre informações da covid-19 e seus conteúdos originais 

Painel do NAB Show Express mostra força do rádio fora de casa mesmo com a covid-19 e a fidelidade dos ouvintes aos seus formatos preferidos 

E o digital?

Outro ponto é o crescimento da concorrência entre as mais diferentes plataformas. Ou seja, quem está pronto com o seu streaming ao vivo ativo, investindo em podcasts e, em alguns casos, em transmissões de vídeo, está observando uma possibilidade real na expansão de suas atividades, servindo seu público-alvo das mais diversas maneiras.

Quem está atrasado com a área digital vai ter mais dificuldade a partir de agora, pois a pandemia está acelerando mudanças que já eram indicadas como tendências para os próximos anos.

Não, o FM não deve deixar de ser relevante, pelo menos até onde as pesquisas conseguem enxergar. Mas é fato que o digital passou a ser um complemento importante, seja de audiência e até de receita. E as matérias a seguir podem contar um pouco mais sobre isso:

Edison Research indica crescimento na parcela de audiência de rádio concentrada no streaming das estações AM/FM 

Covid-19: Nielsen mostra que streaming está contribuindo com picos de acessos ao conteúdo de rádio  

Levantamento aponta que o rádio é o mais resiliente entre todas as mídias tradicionais durante o coronavírus 

Com audiência mantida, mas publicidade em baixa, investimento digital deve auxiliar a iHeartMedia na retornada pós-crise 

Olha, está difícil. Mas isso não é algo exclusivo do rádio e das demais mídias chamadas de tradicionais. É geral. E é preciso sobreviver a esse momento. E a situação atual impõe união do setor, estudos, trocas de experiências, entre outras ações importantes. Várias entidades do setor promovem lives e webinars que tem ajudado as empresas e os profissionais de rádio de alguma forma. Procure participar delas.

Acesse aqui a nossa área de notícias e procure usando os nomes das entidades, como AESP, AMIRT, AERP, ACAERT, SERT, ACERT, ABERT, AGERT, AERJ, entre outras. 

O próprio Painel tudoradio.com já contou com três edições que cobrem temas importantes em tempos de coronavírus. Assista em https://tudoradio.com/painel 

E, se depender do tudoradio.com, nós aqui ajudaremos da maneira que pudermos. O rádio é forte e o público acredita muito nele, tanto que os números não param de mostrar isso. Uma das nossas contribuições são os artigos organizados por aqui, as novidades oferecidas em nossas ferramentas e as sessões especiais de matérias que mostram as tendências a situação atual do rádio (Brasil e mundo). Segue abaixo:

https://tudoradio.com/tendencias - Notícias especiais sobre tendências para o setor
https://tudoradio.com/oradiohoje - Mais matérias sobre o comportamento do consumo de rádio e áudio em todo o mundo

Portal tudoradio.com lança ferramentas para facilitar a navegação via celular. Novidades afetam redação e rádios ao vivo

Tags: rádio, defesa, pesquisas, análises, consumo, audiência, FM, digital, streaming, coronavírus

Compartilhe!

Colunista
Daniel Starck

Daniel Starck é jornalista, empresário e proprietário do tudoradio.com (veiculo que atua há mais de 19 anos voltado aos interesses do rádio brasileiro e de seus ouvintes). Formado em Comunicação Social / Jornalismo pela PUCPR, Daniel também já teve passagens por rádios como CBN, Rádio Clube e Rádio Paraná. Também atua como palestrante e consultor nas áreas artística e digital.










tudoradio.com © 2004 - 2021 | Todos os direitos reservados
Empresas parceiras do tudoradio.com:
tudoradio.com - O site de rádios do Brasil
Tel. Comercial: (41) 4062.0035 | (11) 4062.0058 / (09h às 12h e das 14h às 17h - seg. a sexta)
Entre em contato com o portal clicando aqui.